Rádio Najuá

Vereador imbituvense participa de elaboração de cartilha de orientação política da CNBB

15/01/18 - 22h53 - Atualizado em 15/01/18 - 22h53

Da redação, com reportagem de Paulo Sava e informações da CNBB Regional Sul 2 

Em 2018, a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vai divulgar a quinta edição de sua Cartilha de Orientação Política. A publicação visa instruir os fiéis sobre a importância do exercício da cidadania e de sua participação no processo político, através do voto consciente. Nas eleições de 2016, a Diocese de Ponta Grossa conseguiu eleger três jovens representantes: o vereador Felipe Ramón de Passos (PSDB), na Câmara de Ponta Grossa; Maurício Kusdra (PSDC), na de Castro e Zaqueu Luiz Bobato (PHS), na Câmara de Imbituva. 

O missionário leigo Zaqueu Luiz Bobato, da Paróquia Santo Antônio de Imbituva, professor e vereador em Imbituva, foi convidado a participar da elaboração da nova cartilha da CNBB e participou, na semana passada, de uma reunião com peritos na sede da Regional Sul 2 da CNBB, em Curitiba, junto ao padre Paulo Renato Campos, assessor político da CNBB. A reunião teve por finalidade pautar os tópicos a serem debatidos no texto da quinta edição da cartilha.

Os tópicos elegidos por esses peritos serão redigidos e apresentados aos bispos do Brasil na reunião do Conselho Permanente da CNBB, entre 20 e 22 de fevereiro. Depois da avaliação, do parecer dos bispos e sua eventual aprovação, a cartilha começará a ser produzida e pode ser veiculada em todo o país. O objetivo é fazer com que a cartilha ofereça um conteúdo atraente, numa linguagem simples, direta e atual, com uma diagramação criativa.

A CNBB destaca que o próprio Papa Francisco estimula a participação na política como uma responsabilidade do cristão: “Para o cristão, é uma obrigação envolver-se na política. Nós, cristãos, não podemos fazer como Pilatos: lavar as mãos. Não podemos! Devemos nos envolver na política, pois a política é uma das formas mais altas de caridade, porque busca o bem comum. E os leigos cristãos devem trabalhar na política”, afirma o Papa.

“Fiquei muito feliz por esse convite feito pelo padre Mário Spaki, que é um iratiense, que desenvolve um trabalho fantástico de evangelização, um trabalho missionário, e que está à frente da Secretaria da Regional Sul 2 da CNBB. O padre Mário Spaki, conhecendo minha trajetória como leigo engajado dentro dos movimentos de pastorais e o trabalho de vereança que venho desenvolvendo no município de Imbituva, me fez esse convite, já que o Regional Sul 2 ficou encarregado este ano, dado o sucesso e a importância da Cartilha de Orientação Política, para produzir o material que venha a ser distribuído no Brasil inteiro. Portanto, ultrapassando o âmbito do Regional Sul 2”, explica o vereador imbituvense.

Comissão está se reunindo periodicamente para elaboração da cartilha da CNBB para as eleições de 2018

Bobato aponta que a política brasileira vive atualmente uma crise ética e moral. Entre os tópicos levantados durante essa primeira reunião que discutiu a elaboração da nova cartilha, a igreja indicou a preservação da democracia e a importância do voto consciente. “A CNBB, como uma instituição séria, sempre se pronuncia e se manifesta. Aqui, não me manifesta como vereador, porque a CNBB, através dessa cartilha, é a voz da igreja e a igreja é apartidária. A CNBB se manifesta e se pronuncia através de suas notas em defesa da democracia”, sustenta o missionário leigo.

Segundo Bobato, ainda que a política viva um momento conturbado, o cristão não pode perder a esperança. “É a partir desta democracia e com nosso voto consciente que temos a possibilidade de melhorar”, reitera.

O vereador destaca que a igreja não é contra a política, mas que abomina, sim, a “politicagem” – definida por ele como o exercício do poder sem visar ao bem comum, de forma individualista. “Por isso, a cartilha vai também trabalhar esse aspecto: o bem comum, a importância de o eleitor refletir sobre seu voto e levar em consideração o passado dos candidatos e as bandeiras que ele levanta, qual é a atuação dele, para que ele tem lutado, se é em defesa da vida, da dignidade e do bem comum”, acrescenta.

Bobato ressalta que a experiência de participar da elaboração da cartilha é particularmente interessante para ele uma vez que ele vivencia a atuação política na prática, ao exercer seu primeiro mandato como vereador em Imbituva.

De acordo com ele, em fevereiro, o texto elaborado por essa equipe será avaliado criteriosamente por uma comissão formada por 35 bispos e 20 assessores da CNBB. “É preciso tomar muito cuidado, porque uma cartilha de orientação não pode levantar bandeiras. E não é o objetivo da CNBB. O objetivo é a conscientização, a importância de nós, cidadãos eleitores, refletirmos e participarmos desse processo político em 2018. O Brasil que queremos começa pelo nosso voto”, salienta.

O vereador analisa que o amadurecimento do processo democrático passa pela superação do descrédito na política, que tem feito, inclusive, muitas pessoas desistirem de votar. As abstenções em São Paulo, por exemplo, o maior colégio eleitoral brasileiro, foram de 21,84% em 2016, quando quase 2 milhões de pessoas deixaram de votar (1.940.454 abstenções; além de 367.471 brancos e 788.379 nulos).

“A igreja pretende, através dessa cartilha, despertar o cristão a fazer um levantamento criterioso daqueles que estão se propondo a governar”, afirma. Ou seja, prestar atenção, especialmente nos que pretendem a reeleição, a quais bandeiras são defendidas pelos candidatos no exercício de seus mandatos e em suas plataformas de campanha e se suas propostas visam ao bem comum. “Nosso voto é nossa única forma de mudarmos a realidade do nosso país. É nítido o descontentamento de grande parte da população. E esse é o grande desafio da cartilha: trazer para o debate a importância de as pessoas participarem e refletirem”, reitera.

Bobato destaca que a igreja católica não incentiva a formação de “bancadas”, mas que acompanha o trabalho de frentes parlamentares. “A CNBB não se pronuncia a favor de formação de bancadas ou de determinados partidos ou figuras políticas. A CNBB, a igreja, a partir de um apelo do Papa Francisco, quer despertar a importância do cidadão consciente e das pessoas de bem participarem do processo”, enfatiza.

A cartilha deve ter, no máximo, 25 páginas e ser distribuída em todas as paróquias e capelas dopaís e em plataforma digital da CNBB durante o período da campanha eleitoral. A reunião em Curitiba também incluiu os iratienses Rogério Carlos Born, mestre em direito Constitucional e o padre Mário Spaki, secretário da Regional Sul 2 da CNBB. Participaram ainda da reunião: o assessor político da CNBB, padre Paulo Renato Campos; Odaril José da Rosa; Célia Marchesini, Oscar Fürstenberger, Tales Lemos e Márcia Correa.

Entre os integrantes do grupo, estão os iratienses Rogério Carlos Born e o Padre Mário Spak, secretário-geral da Regional Sul II da CNB, além do vereador e professor imbituvense, Zaqueu Luiz Bobato (PHS)

Regional Sul 2 CNBB 

A Regional Sul 2 da CNBB reúne as arquidioceses e dioceses do Paraná e a metropolia e a eparquia da igreja católica de rito ucraniano. Da Província de Curitiba, a arquidiocese de Curitiba e as dioceses de São José dos Pinhais, Paranaguá, União da Vitória, Ponta Grossa e Guarapuava. Da Província de de Londrina, a arquidiocese de Londrina e as dioceses de Cornélio Procópio, Apucarana e Jacarezinho. Da Província de Cascavel, a arquidiocese de Cascavel e as dioceses de Foz do Iguaçu, Palmas e Francisco Beltrão e de Toledo. Da Província de Maringá, a arquidiocese de Maringá e as dioceses de Paranavaí, Campo Mourão e Umuarama. E ainda a Metropolia Católica Ucraniana São João Batista (Curitiba) e a Eparquia Imaculada Conceição (Prudentópolis).

PUBLICIDADE