Área de Clientes Registro Contatos

login

Rádio Najuá - Irati Paraná

Irati-PR

Qua, 11/01 - Min: 19ºC Máx: 30ºC
fonte: Inpe - Inst. Nac. de Pesquisas Espaciais
fonte Banco Central compra venda
Dólar R$ 3,1912 R$ 3,1918
Libra R$ 3,9261 R$ 3,9272
Euro R$ 3,4009 R$ 3,4021

AM - Programa no ar

Aconteceu

RODRIGO ZUB

12:00 às 12:45 - informações
  • Programação
  • Najuá / Informações
  • Equipe
  • Álbuns
  • Classificados
  • Blogs
  • Colunas
  • Entretenimento
  • Esportes
  • Irati de Todos Nós
  • Notícias
  • Obituário
  • Política
  • Domingo, 22 de Janeiro de 2017
    publicidade

    Denise Stoklos realiza leitura de peças de seu repertório em Irati

    12/11/16 - 13h19 atualizada em 12/11/16 às 13h54
    Em “Gestos Textuais do Teatro Essencial”, atriz abriu a palavra à plateia para debater peças que marcaram a carreira da artista iratiense

    Da Redação, com reportagem de Genoveva Zavilinski

    Denise conversou com a reportagem da Najuá após o espetáculo
    A atriz iratiense Denise Stoklos apresentou na quarta-feira (9) o espetáculo “Gestos Textuais do Teatro Essencial”, que consistiu na leitura de peças de seu repertório, que incluiu mais de 20 trabalhos autorais. A dramaturga abriu espaço para a plateia, depois da leitura, para um diálogo sobre os textos. O evento foi realizado no Hotel Sollievo, com promoção da Fundação Denise Stoklos, Unicentro Irati, Grupo de Teatro Ir a Ti, Unicentro e Prefeitura de Irati.

    A passagem pela cidade de Irati fez parte também das gravações de um documentário que será lançado em 2017, para comemorar os 50 anos de carreira de Denise Stoklos. As tomadas feitas em Irati, cidade natal da artista, tiveram como locação alguns pontos turísticos e também o campus da Unicentro, onde se encontra boa parte do acervo utilizado nas peças teatrais.

    “Denise Stoklos em: Gestos Textuais do Teatro Essencial” foi um encontro para amigos e admiradores da atriz iratiense, que reuniu cerca de 150 pessoas no salão do Hotel Sollievo. Denise fez a leitura de peças que apresentou no Brasil e em outros 33 países. O encontro serviu de motivação para muitos artistas locais e entusiastas da cultura que compareceram ao evento.

    A atriz conversou com a Rádio Najuá sobre o encontro com o público iratiense. “Foi espetacular. As pessoas estavam entregues, me receberam do jeito que Irati sempre me recebe: calorosamente, com aplausos, com inteligência”, diz.

    Festival

    PUBLICIDADE
    Denise também anunciou o Festival Internacional de Solo Performances que será realizado em novembro de 2017, em Irati. “Já entramos no Ministério da Cultura (MinC) com o projeto, na Lei Rouanet, que autoriza qualquer empresa a, em vez de pagar Imposto de Renda, entrega esse valor a um projeto cultural. É a mesma coisa que se tivesse pago o Imposto de Renda, mas ainda ajuda a acontecer o Festival, e vai ser divulgado e feito publicidade do nome da empresa”, conta.

    Para a realização do Festival Internacional de Solo Performances, Denise convida as empresas iratienses a patrocinar o evento, “de pouquinho em pouquinho, mas é disso que, nós, juntos, faremos esse Festival e tornaremos Irati o pólo de Solo Performance do mundo. As pessoas do mundo inteiro virão para cá para ver”, comenta a atriz.

    Empresários que queiram contribuir com o Festival podem entrar em contato com a presidente da Fundação Denise Stoklos, Luiza Nelma Fillus.

    A dramaturga, encenadora e atriz brasileira Denise Stoklos, nascida em Irati, possui uma carreira cênica consolidada internacionalmente e é a fundadora do método conhecido como “Teatro Essencial”, que visa ter em cena o mínimo possível de efeitos – iluminação, cenário, figurinos – e o máximo de teatralidade. Denise foi a primeira atriz brasileira a se apresentar na Rússia, na China e na Ucrânia. Suas peças já foram encenadas em sete idiomas e percorreram 30 países.

    Artista iratiense se apresentou para um público de aproximadamente 150 pessoas
    Plateia teve oportunidade de interagir com Denise Stoklos



    comentários

    mais

    Enquete

    Existe no Brasil a cultura do encarceramento e isso aumenta a crise penitenciária