Futebol / Esportes

06/04/18 - 01h42 - atualizada em 06/04/18 às 16h54

Iraty troca de técnico pela segunda vez em dez rodadas

Ex-Flamengo e ex-Seleção Brasileira Marcelo Buarque assumiu vaga deixada por Play de Freitas. Diretoria estuda novo cargo para ex-treinador e ex-supervisor técnico

Edilson Kernicki, com reportagem de Tadeu Stefaniak 

Transcorridas dez rodadas da segunda divisão do Campeonato Paranaense, o Iraty anunciou a segunda troca de técnico. Marcelo Buarque, ex-Seleção Brasileira e ex-Flamengo, substitui Play de Freitas. Na segunda fase, o Azulão ainda não pontuou e está em último lugar do Grupo I, composto também por Operário, Batel e PSTC.

Sob o comando de Play, que deixa a comissão técnica do Azulão depois de sete jogos, o Iraty teve dois empates – Cascavel (1 a 1) e PSTC (2 a 2); duas vitórias – contra o Andraus (3 a 0) e Portuguesa Londrinense (4 a 1); e amargou três derrotas, duas na 1ª fase, ambas com o placar de 2 a 1 em casa: contra Paranavaí e Batel, de Guarapuava. Na 2ª fase, perdeu para o Operário no último domingo (1º), novamente por 2 a 1. Antes de Play, Adriano Kanaã comandou a equipe nas três primeiras rodadas: um empate – contra o Rolândia EC (2 a 2) e duas derrotas – contra o Independente São-Joseense (3 a 0) e Operário (4 a 1).

Marcelo Buarque vai precisar enfrentar a pressão da torcida para quebrar o jejum de vitórias em casa. Em seis jogos no estádio Coronel Emílio Gomes, o Iraty ainda não venceu. Foram dois empates e quatro derrotas. O novo técnico foi apresentado em coletiva de imprensa durante a manhã desta quinta (5), na sede social do Iraty Sport Club. A coletiva foi convocada pelos gestores do clube Eduardo Bento Lopes e Márcio Fagundes, e pelo presidente em exercício, Antonio Martins Albuquerque (Toninho), que substitui o presidente Cícero Moreira Gomes (Xirú), que se afastou do Iraty por 15 dias para resolver questões particulares.

OBS: Confira os principais trechos da entrevista coletiva de apresentação do novo treinador do Iraty no fim do texto

Play de Freitas comandou Iraty somente em sete partidas na segundona. Antes dele, Adriano Kanaã foi treinador do time nas três primeiras rodadas

Diretoria diz que maus resultados influenciaram na demissão de Play de Freitas

“Play está sendo dispensado por conta dos resultados, mas não é nada pessoal. É um ótimo profissional, porém não houve resultados”, assegura o gestor Márcio Fagundes. Segundo Eduardo Bento Lopes, houve uma conversa com a diretoria e, de comum acordo, houve a decisão pela dispensa de Play, depois de quatro jogos em casa, com três derrotas e um empate. “Em comum acordo, decidimos que seria melhor desligar o técnico Play. Não estamos tirando ele do clube. Estamos estudando outra função para ele. Mas isso posteriormente. De momento, retiramos o técnico Play e estamos apresentando o Marcelo Buarque”, complementa Eduardo.

“Houve um consenso entre a diretoria e o grupo gestor – hoje 100% regulamentado. Vivemos de resultados e os resultados foram muito abaixo do esperado. Sem resultado, ninguém sobrevive, ninguém se segura; seja no mundo da bola ou no profissional”, reitera o presidente interino do Iraty, Antonio Martins Albuquerque.

PUBLICIDADE

Planejamento tático do novo treinador

O novo técnico ressalta que o planejamento tático para os próximos jogos vai considerar individualmente cada partida. “Vamos jogo a jogo. Não adianta pensar no quinto jogo, se não andar no segundo, no terceiro e no quarto. Temos agora um jogo no sábado (7) [contra o PSTC] muito importante e vamos buscar, dentro dessa fase da competição, o objetivo principal, que é o acesso [à 1ª Divisão]. A dificuldade é grande, pois todos querem a mesma coisa. Mas vamos devagar, vou organizar a equipe dentro do que eu penso de futebol”, salienta Buarque.

Experiente, Buarque considera normal a troca de técnicos durante um campeonato. “Quando você não vence, acontece. Vou tentar organizar dentro da minha maneira. Não está tudo errado, vou aproveitar muitas coisas que forem inseridas dentro desse processo e colocar alguma coisa do que eu penso de futebol. As pessoas não pensam igual e é, às vezes, um detalhezinho o que pode melhorar. Os principais dessa gestão são os jogadores. O treinador e a direção dão um alicerce a eles, mas quem resolve são os jogadores”, avalia. “Não é colocar culpa nos atletas, até porque quem vai escalá-los sou eu. A responsabilidade é minha. Mas quem consegue todo esse processo são os atletas dentro do campo”, emenda.

Para o jogo de sábado (7), o novo técnico ainda contará com o apoio de toda a comissão técnica, pois ainda está conhecendo o plantel e vai avaliar o desempenho dos atletas através de vídeos das partidas já realizadas.

Técnico pretende trabalhar autoestima dos atletas

Buarque admite que mais importante que a formação de esquemas táticos é como o jogador deve agir com ou sem o domínio da bola. “Cada um deve saber sua função. O jogador hoje tem que ser multidisciplinar. O atacante tem que ajudar a marcar, então ele é nosso primeiro defensor. Tentar fazer com que essas peças se encaixem da melhor forma possível, que o time defenda bem e ataque com a melhor qualidade possível”, opina.

A psicologia de trabalho do treinador envolve lidar com a autoestima da equipe. “Quando ganhamos, não somos os melhores do mundo. Mas quando perdemos, também não somos os piores. Temos que fazer com que esses caras, no dia a dia, tenham uma mente forte. Não precisamos temer a ninguém. Temos que respeitar a todos; mas temer, não. Tem jogadores que você dá um grito e ele se abate e outros que só andam à base do grito. Conhecer esse perfil psicológico é extremamente importante para que você possa, no dia a dia, no treino e no campo, tirar o melhor de cada atleta”, diz.

Comissão técnica

Marcelo Buarque afirma que deve ser mantida a mesma comissão que já vinha atuando junto com Play de Freitas. Entretanto, o auxiliar técnico Ronaldo da Silva Nascimento já não integrava a equipe a partir da 7ª rodada, restando apenas o treinador de goleiros Marco Antonio e o massagista Miguel Correia. Não há um preparador físico listado nas súmulas dos últimos jogos disputados pelo Iraty.

“A princípio, são eles que estarão comigo e deposito neles minha confiança total, como se estivessem trabalhando comigo há anos. Vim aqui para fazer um trabalho com todas as pessoas que estão aqui. No momento, está havendo uma mudança só do comando técnico e vamos, com isso, buscar os resultados, que são a coisa mais importante para o clube no momento”, garante.

Reintegração de atletas afastados

O gestor Márcio Fagundes nega que a reintegração do meia Maguila e do volante/zagueiro Rafael, dispensados após a 6ª rodada da 1ª fase, seja para contrariar a decisão do ex-técnico Play de Freitas, que os afastou da equipe por desentendimentos.

“Se trouxéssemos hoje Maguila e Rafael, daria a entender que estávamos contra o técnico e a favor do jogador. Pelo contrário, foram reintegrados o Rafael e o Maguila há duas semanas. O próprio Play me chamou, conversamos. Eles se desculparam, os jogadores reconheceram seus erros de desentendimento com o técnico”, afirma. Nenhum dos dois foi escalado desde essa reintegração, nem na equipe titular nem mesmo no banco de reservas.

Currículo

O carioca Marcelo Buarque, de 55 anos, iniciou sua carreira esportiva no Futebol de Salão. Aos 12 anos, entrou no Clube de Regatas do Flamengo, onde permaneceu até os 18 anos, antes de trocar o clube pelo Fluminense. Jogou durante algum tempo pelo Cascavel (PR), mas já tinha uma lesão no púbis e, após um longo tratamento, decidiu encerrar a carreira como jogador e investir na faculdade de Educação Física.

Marcelo se formou em 1986, pela UERJ, e concluiu a especialização (pós-graduação) em técnico de futebol no ano seguinte, pela mesma instituição. Trabalhou como treinador no Flamengo durante 11 anos (no infantil, de 1988 a 1992 e no juniores, de 1993 a 1998). Em 1990, treinou a Seleção Brasileira Sub-15.

Foi assistente no Botafogo de Pernambuco (2001-2002); na seleção sub-17 da Guatemala (2002-2003) e no Nova Iguaçu (2004-2005). Em 2011, foi assistente do time principal do Flamengo. De 2006 a 2014, passou por clubes fluminenses: Serrano, Duque de Caxias, Volta Redonda, Bangu, Resende, Portuguesa (RJ), Flamengo (assistente), Macaé, América, Quissamã e Flamengo (juniores). Em 2015, foi para o América de Teófilo Otoni (MG).

“Nada disso serve para ajudar o Iraty. Isso é passado. Tenho que fazer minha história aqui dentro e vou buscar fazer a melhor coisa possível para que amanhã vocês possam falar: ‘o Marcelo Buarque passou por aqui e fez um excelente trabalho’. O que eu passei é do meu passado, da minha história. O que me credencia é minha experiência”, afirma o novo técnico.

Próximo jogo do Iraty

O Iraty enfrenta neste sábado (7), às 18h30, o PSTC, no Estádio Municipal Ubirajara Medeiros, em Cornélio Procópio, em jogo válido pela 2ª rodada da 2ª fase.

Comentários

Enquete

Considerando o ponto de vista da segurança pública, você concorda ou discorda da liberação da maconha?

  • Discordo
  • Concordo
Resultados