Irati e Região / Notícias

13/07/18 - 21h16 - atualizada em 18/07/18 às 14h06

Câmara de Rio Azul inaugura painel comemorativo ao Centenário

Câmara ainda homenageou ex-vereadores vivos, concedeu Menção Honrosa ao Circo Zanchettini e entregou títulos de Cidadão Honorário e Benemérito durante a semana

Da Redação 

Painel foi instalado na parte de trás da Mesa Diretora, no Plenário da Câmara

Duas solenidades marcaram as atividades comemorativas relacionadas ao Centenário de Rio Azul na Câmara Municipal ao longo desta semana. A primeira delas, na terça-feira (10), concedeu homenagens a 36 ex-vereadores vivos; Menção Honrosa ao Circo Zanchettini e inaugurou o painel comemorativo alusivo ao Centenário, com pinturas dos artistas plásticos Madalena Ianoski e Laércio Soares da Silva.

A segunda sessão solene, realizada na quarta (11), entregou títulos de Cidadão Honorário e Benemérito a cidadãos indicados pelos vereadores. Segundo o presidente da Câmara, Edson Paulo Klemba (PDT), os títulos são propostos àqueles cidadãos que, por sua atividade dentro do município, se destacam e contribuem para elevar o nome de Rio Azul. Também na quarta-feira (11), foi lançado o selo comemorativo ao Centenário de instalação da Câmara Municipal e o livro “Rio Azul- 100 anos- Olhares Sobre a História”, que conta a história da Câmara e do município.

PUBLICIDADE

O painel comemorativo é formado por cinco grandes quadros que, juntos, formam uma linha do tempo, numa única peça, e narra passagens históricas, costumes, tradições e a fauna e a flora do município.

O artista envolvido na produção do painel, Laércio Soares da Silva, comentou, também em nome de Madalena Ianoski, o processo de confecção da obra. Conforme relatou, o convite para pintar o painel surgiu no ano passado, pela direção da Câmara. Segundo Laércio, depois da empolgação inicial, ambos sentiram o peso da responsabilidade que é assinar uma obra que permanecerá como legado para os rio-azulenses ao compor o acervo artístico e cultural da Câmara.

“Confesso que conhecemos a história de Rio Azul, mas talvez não tão a fundo como o Augusto [José Augusto Gueltes, secretário da Câmara], que pesquisa e se dedica muito a isso. Contamos com a ajuda dele. Quando ele falou em cinco painéis, pensamos em muita coisa. Mas tudo estava embaralhado em nossa cabeça, porque não se consegue fazer uma linha do tempo sem uma pesquisa a fundo. O Augusto tinha essa pesquisa. Aproximando-se de cada painel, dá para notar as diferenças entre eles. Ele nos repassou uma lista do que poderia ser incluído em cada painel”, revelou.

Madalena Ianoski e Laércio Soares da Silva (foto) foram os artistas que pintaram o painel

Coube a Laércio e Madalena as decisões técnicas e artísticas sobre como representar os elementos elencados por José Augusto Gueltes em sua pesquisa histórica sobre o Centenário do Município. “As pinturas são figurativas. Ou seja, elas representam algo. Não teríamos como trabalhar uma pintura abstrata, porque seria algo que não seria do entendimento da maioria, nem mesmo nossa, e não seria algo agradável de ver. Foi uma pintura figurativa, mas não com hiper-realismo – que seria a representação exata, como uma foto. Para fazer um painel hiper-realista não levaríamos meses, mas anos, provavelmente”, explicou o artista.

PUBLICIDADE

O painel 1 representa a fauna e a flora rio-azulense, o Rio Potinga, os nativos da região e a chegada dos bandeirantes. O painel 2 demonstra a balsa do Rio Potinga, a Maria Fumaça, a Estação Marumbi, o monge João Maria – personagem do Contestado, um casal que representa os imigrantes, as primeiras casas, a praga de gafanhotos. “Nem tudo o que está representado aqui são lembranças boas, mas algumas coisas que marcaram nossa região”, descreveu.

O quadro 3 representa o início do desenvolvimento da agricultura. “Vocês vão notar a Prefeitura antiga, o cinema antigo. Também temos um fato nada bom, mas marcante, que foi a gripe espanhola, que dizimou muita gente na região, a população. A mudança gradual da Estação, diferente, também o trem. A roda d’água, a exploração da erva-mate. Também temos a parte esportiva. No canto dele, vocês vão notar uma folha de palmeira em primeiro plano e, ao fundo, pessoas numa dança comemorativa de um casamento, que é uma coisa também típica de nossa região. A carroça no rio, os cavalos bebendo água, vários prédios voltados para a parte da Educação, hospital e os curtumes que tínhamos também”, detalhou Laércio.

Painel foi inaugurado durante sessão solene na terça-feira (10)

O quarto painel apresenta representações do desfile do Cinquentenário de Rio Azul, o que serviu de ponto de partida para que os artistas refletissem sobre o passado, o presente e o futuro do município. “Estamos ali representando o Cinquentenário, que foi há cinquenta anos. Estamos no Centenário de Rio Azul. E daqui a 50 anos? Ficamos pensando no que será feito. Provavelmente, nem todos estaremos aqui para saber, para ver. Por isso, refletimos sobre o passado, o presente e o futuro”, definiu.

Além dos elementos característicos da economia local da época, como as lavouras e as fábricas, essa parte do painel rende também um tributo ao mais célebre artista plástico da história rio-azulense, Antônio Petrek.

“No último painel, trabalhamos as atualidades de Rio Azul. Ou seja, o hoje, as indústrias, o destaque da parte geográfica, os pontos turísticos. Colocamos também, na parte de cima, uma família em direção ao horizonte”, disse Laércio.

O painel revelado e inaugurado durante a sessão solene foi instalado na parte de trás da Mesa Diretora, no Plenário da Câmara. “É uma forma de homenagearmos tudo aquilo que compõe o patrimônio de nosso município. Quando falo de patrimônio, não falo apenas de patrimônio físico, geográfico. Acho que o maior patrimônio que um município tem é seu povo. Pensando nisso, espero que cada um de vocês, ao olhar o painel, ele traga alguma lembrança boa a vocês, de algo”, resumiu o artista. Laércio e Madalena receberam, cada um, uma placa de agradecimento pela contribuição.

PUBLICIDADE

Ex-vereadores homenageados

O ponto alto da sessão solene de terça-feira (10) foi a entrega de títulos de Honra ao Mérito Legislativo aos ex-vereadores da Câmara de Rio Azul. “A Câmara Municipal de Rio Azul nunca deixou de estar atenta aos interesses, aos anseios e às preocupações do povo de Rio Azul. Se lá no início desta história, Zeferino Bittencourt e seus companheiros enfrentaram e superaram barreiras para o exercício da vereança, não foi diferente com todos aqueles que os sucederam”, citou o secretário da Câmara de Rio Azul, José Augusto Gueltes, ao fazer menção aos seis primeiros camaristas, como eram chamados os vereadores em 1918.

Zeferino Bittencourt foi o primeiro presidente da Câmara de Rio Azul; Saturnino Bueno de Camargo, o primeiro vice-presidente; Joaquim Luiz dos Santos, Honório Alves Pires, Antonio José dos Passos e Gabriel Cury os demais titulares da primeira legislatura. Manoel Antonio Fornier, Horácio Vieira, Achilles Bueno, José Januário dos Santos, Jacob Burko e Felicíssimo Ildefonso Neves, por sua vez, foram os primeiros suplentes.

“Ao celebrarmos o progresso e o desenvolvimento, de cuja construção ativamente participamos, este é o momento certo de reconhecer e homenagear quem fez parte dessa jornada. É por isso que decidimos aqui nos reunir hoje para abraçar e homenagear nossos colegas ex-vereadores e vereadores. É um momento privilegiado de distinção a quem muito fez e ainda continua a fazer pelos rio-azulenses. Ao entregarmos o título de Honra ao Mérito Legislativo, estamos reafirmando, reconhecendo e valorizando o seu trabalho, a sua participação, a qual, ao seu tempo, na projeção, valorização, consolidação e o bom nome deste querido município de Rio Azul”, justificou o presidente da Mesa Diretora, Edson Paulo Klemba.

PUBLICIDADE

Gueltes explicou que foram convidados os 36 ex-vereadores vivos, de uma lista de quase 200 que já compuseram o Legislativo em 100 anos de história. Nem todos puderam estar presentes, por motivos variados.

Foram homenageados: Leonardo Skalicz, ex-vereador, ex-presidente da Câmara e ex-prefeito de Rio Azul (1977-1983); Acibaldo Martins, ex-presidente da Câmara; Alexandre Burko, ex-vereador, ex-presidente da Câmara e ex-prefeito (2005-2008); Alfeu Glier; Amauri Domingues; Amauri Vieira Santos; Antônio Boni; Antônio Galdino França Júnior (Professor Junior); Arnaldo Borba Cordeiro; Davi José Gurski; Félix Hessel Júnior (Felico); Guilherme Gurski; Jaciel Bucco Martins; Jair da Silva Pinto; Jane Luizi Skalicz Solda, ex-presidente da Câmara; João Bihuna; João Sérgio Kovalski; José Bialeski; José Tomaz de Andrade; Júlio Ferreira de Andrade; Ladislau João Jasiocha; Leonardo Kosciuk; Leopoldo Budziak; Maria Lucas Wilszek, Mário Pietroski Júnior; Mário Victor Burko; Nicolau Chauszcz; Osdival Neves Albini; Pedro Iantas; Quirino Alfredo Bucco, ex-presidente; Renato Hrinczuk; Sérgio Francisco Girardi; Vicente Popovicz, ex-presidente da Câmara; Vicente Solda, ex-vereador, ex-presidente da Câmara e ex-prefeito (1997-2000; 2001-2004 e 2009-2012) e Vismar Ribeiro, também ex-presidente da Câmara.

Menção honrosa ao circo Zanchettini

A família Zanchettini, do Circo Zanchettini, recebeu Menção Honrosa. “Não poderíamos deixar de lembrar de quem várias e várias vezes passou por esse município e nos deixou alegria. A magia e o encantamento do circo representam a vida como sonhamos e como gostaríamos que fosse, com palhaços para divertir; mágicos para surpreender; trapezistas para encorajar; bailarinas para trilhar, com belos passos, as canções de cada época que se vive e um público aplaudindo carinhosamente acertos e falhas, encarando-os com a prática a ser melhorada. Essa magia, temos tido a alegria de viver, com a presença, de tempos em tempos, do Circo Zanchettini em nossa cidade”, salientou o presidente da Câmara, Edson Paulo Klemba, ao justificar o tributo prestado.

Integrantes do Circo Zanchettini receberam Menção Honrosa da Câmara Municipal

Fundado oficialmente em 1964, então Circo Teatro Gávea, o circo levou Primo Júlio Zanchettini e Wanda Cabral Zanchettini a percorrer o Brasil com a tradicional arte circense. Wanda iniciou a carreira no circo dos pais, o extinto Vamos Rir. Ela, com vinte e poucos anos, conheceu Primo, um quarentão com ascendência italiana, quando a trupe passou por Araçatuba/SP. Os dois se apaixonaram e fundaram a própria companhia, o Circo Teatro Gávea, que foi rebatizado para Circo Zanchettini quando Primo Júlio faleceu.

“A família, na sua quinta geração de artistas, continua mantendo a tradição itinerante e a magia e alegria, que continua divertindo famílias em todo o Brasil. Atualmente, o Circo Zanchettini, pela dedicação e amor ao picadeiro e respeito público, é reconhecido com os espetáculos mais premiados no âmbito nacional. Entre os prêmios já recebidos, estão Troféu Gralha Azul; Troféu Melhor Espetáculo, da Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo; Prêmio Carequinha de Estímulo ao Circo; Medalha 100 Anos de Fundação do Teatro Guaíra; Menção Honrosa da Câmara de Vereadores de Curitiba; Menção Honrosa do Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro; Menção Honrosa na Expo Santa Rita (Paraguai); Moção de Aplausos pela Câmara de Nova Andradina (MS); Denominação de Praça do Circo, em Quirinópolis (GO); Denominação à Praça Wanda Cabral Zanchettini, em Buriti Alegre (GO). A essa grande família, Circo Zanchettini, hoje a Câmara Municipal de Rio Azul presta homenagem com a outorga de Menção Honrosa, em reconhecimento à reciprocidade, amizade e carinho com o povo de Rio Azul, ao longo de mais de 30 anos”, sustentou Klemba.

PUBLICIDADE

Márcia e Amauri Zanchettini representaram a família na entrega da homenagem. Em seu discurso, Márcia agradeceu a homenagem à memória do pai, Primo Júlio Zanchettini, e em nome da mãe, Wanda Cabral Zanchettini, que não pode comparecer por motivos de saúde. “Existem muitos circos pelo Brasil, mas com esse carinho que é recebido do público, acho que somos apenas nós. Somos contemplados com muito amor pelo público de Rio Azul em todas as funções, em todas as vindas a Rio Azul. Acho que fazemos, sim, parte da família de Rio Azul. Guardamos com muita honra, com muito carinho esta bela Menção Honrosa, que vai fazer parte não do currículo, mas da vida, do coração de cada artista do circo. Meu ‘muito obrigada’”, afirmou a filha dos fundadores do Circo Zanchettini. Para encerrar o agradecimento, Márcia e Amauri entoaram o hino do circo.

“Fizemos uma homenagem, mas Rio Azul é que acabou sendo homenageada com esse hino de vocês, muito lindo. Nós agradecemos imensamente o valor que vocês dão a Rio Azul”, comentou Klemba.

O presidente da Câmara encerrou a sessão de homenagens novamente manifestando o profundo respeito que nutre pelos ex-vereadores que trilharam o caminho da história de Rio Azul e conduziram o Poder Legislativo, através das décadas, ao que representa hoje.Klemba ressaltou que cada um, a seu modo, deixou seu nome escrito na história e um legado para a posteridade. Saudou também os ex-prefeitos presentes, relembrando os esforços de cada um deles em prol do desenvolvimento de Rio Azul.

PUBLICIDADE

Por fim, agradeceu aos artistas plásticos Madalena Ianoski e Laércio Soares da Silva por doarem seus talentos para representar em imagens a história do primeiro século de Rio Azul. “Não sabia da capacidade que vocês tinham, sinceramente. Sabia dos trabalhos que vocês desenvolviam, mas não sabia da capacidade que vocês tinham de deixar esse belo trabalho, não para mim, nem para nenhum de vocês, senhores vereadores, mas para o povo de Rio Azul, demonstrando a história de Rio Azul desenhada, como o Laércio explicou aqui”, disse.

Klemba manifestou gratidão pela oportunidade de ser presidente da Câmara nesse momento histórico e agradeceu aos servidores da Câmara de Rio Azul pelo auxílio no desenvolvimento das funções do Legislativo.

Quer receber notícias locais? Envie whats para 42 991135618 SIM NOTICIAS ou cadastre seu e-mail na newsletter pelo site da Najuá

Comentários

Enquete

Em relação aos candidatos à presidência da república, você está?

  • Confuso (a)
  • Definido (a)
  • Indeciso (a)
Resultados