Irati e Região / Notícias

05/07/18 - 01h44 - atualizada em 05/07/18 às 16h39

Derbli fala sobre recurso empenhado para pavimentação do Pinho de Baixo

Serão asfaltados nove quilômetros entre a BR-277 e a Igreja São Sebastião, na localidade de Pinho de Baixo

Da Redação, com reportagem de Rodrigo Zub 

Derbli participou do Meio Dia em Notícias de ontem, 04

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) repassará R$ 4.743.295,02 ao município de Irati para a pavimentação do trecho de nove quilômetros compreendidos entre a BR-277 e a Igreja de São Sebastião, na localidade do Pinho de Baixo. A obra, orçada em R$ 5.559.200,00, terá contrapartida municipal de R$ 815.904,98.

Na entrevista de ontem, 04, ao Meio Dia em Notícias, o prefeito Jorge Derbli (PSDB) afirma que o recurso foi obtido com intermédio do deputado federal Evandro Roman (PSD-PR), que já havia auxiliado com outras demandas daquela localidade. “É uma região essencialmente agrícola, com uma produção muito grande de cebola. Há uma manutenção permanente naquela estrada, que dá acesso ao Pinho de Baixo, Caratuva, Pinho de Cima. É uma estrada que precisa estar sempre em boas condições para o escoamento da produção. Vínhamos falando com o deputado, em duas viagens que fui a Brasília, sobre um recurso para fazer definitivamente uma pavimentação nesse trecho, pelo menos até a Igreja do Pinho de Baixo”, destaca Derbli.

Confira a entrevista completa no fim do texto

PUBLICIDADE

Conforme o prefeito, o deputado obteve, junto ao MAPA, a nota de empenho, que foi feita na última sexta-feira (29). Isto é, o recurso estava sendo dirigido para todo o País com a mesma finalidade e, através da nota empenho, parte dele foi reservado e direcionado ao município de Irati.

“É uma pavimentação com sete metros de largura, com uma base em torno de 30 centímetros de pedra, fazendo uma estrutura, mais uma camada de em torno de cinco centímetros de asfalto a quente (CBUQ). A parte de terraplenagem dessa obra, pois é uma estrada larga que tem pouca parte de drenagem e, se tiver alguma coisa, podemos fazer com recursos próprios da Prefeitura, além da contrapartida, porque não se consegue o recurso total para uma obra dessa. E um recurso de R$ 5 milhões, via emenda de um deputado, não é todo dia que conseguimos”, acrescenta.

 O dinheiro já está aqui e o documento está na minha mão , assegura Derbli.
Derbli assegura que o recurso está empenhado, no entanto, antecipa que o município ainda deve demorar para recebê-lo. “Podemos garantir que foi gerado o empenho automático, pelo Siconv [Sistema de Convênios], e que essa nota de empenho está oficializada. É a garantia que temos: um documento, de Brasília, através do Ministério da Agricultura, uma proposta que foi feita, já existe até o número do convênio para o município de Irati. Eu digo que vai sair a obra, pois quando sai isso aqui [a nota de empenho], quer dizer que várias etapas já foram feitas. Só que é um recurso que demora. Agora, estamos na fase de projeto, complementação de projeto". 

PUBLICIDADE

A liberação dos recursos ocorrerá a cada etapa da obra, tanto o recurso federal quanto a contrapartida municipal. “À medida em que sai a obra física, sai também o recurso financeiro, sendo aportado pelo Governo Federal, para o pagamento dessa obra”, afirma.

João Almeida participou da entrevista na rádio Najuá

De acordo com o secretário municipal de Planejamento, João Almeida Júnior, que participou da entrevista, desde a ida do prefeito à Brasília até a liberação do recurso, foram dois meses de elaboração do projeto para a pavimentação do trecho que liga a BR-277 ao Pinho de Baixo. “A fase de projeto, de documentação, de levantamento de quantos agricultores e do que vai beneficiar a população, não só do Pinho, mas de toda Irati. Apresentamos, na semana passada, os últimos pré-projetos. Vindo o empenho, começamos o projeto físico da obra. Estamos fazendo toda a demarcação da estrada, onde vai atingir, qual será sua largura, desde a Serra dos Nogueiras até a Igreja do Pinho, pois vai ser toda essa extensão. Queremos, o mais breve possível, dentro da Secretaria de Planejamento, concluir essa fase, para que consigamos licitar ainda esse ano essa obra”, diz.

A execução da obra deve demorar em torno de 18 meses, pois será necessário, primeiro, tirar uma camada da estrada, fazer taludes laterais e compactar o solo. “A empresa que ganhar essa licitação vai ter várias etapas para cumprir. Mas, assim que liberarem, como já está empenhado, à medida que a empresa for executando a obra, vai sendo paga. Há até uma pressa da empresa em terminar a obra para receber o que lhe é devido”, explica o secretário.

PUBLICIDADE

Questionado sobre como ficarão organizados os deslocamentos dos produtores para escoamento de produção ou mesmo para chegarem às suas casas durante o período das obras, Almeida Júnior comenta que o procedimento será similar ao adotado em Governador Ribas, onde está sendo implantada a pavimentação com pedras irregulares, e com o Centro, onde está sendo executado o canal hídrico. Haverá desvios temporários, por etapa da obra. “Temos o transtorno, mas a população está entendendo que é um transtorno temporário para resolver uma situação, se Deus quiser, em definitivo”, comenta.

Uma vez empenhado o recurso, o Governo Federal não tem mais como contingenciar o valor. “Temos duas situações desses empenhos de recursos, uma do Governo Estadual e outra do Federal. Foi sancionada uma lei na semana passada, pela governadora, de que todos os convênios assinados têm que ser, no ato de sua assinatura, depositados em conta, no mínimo, 20% da obra. Tem que haver a garantia de sua conclusão justamente para não gerar essa expectativa na população, na cidade, de que foi feita uma obra e não veio [o recurso]. Quanto ao Governo Federal, já apresentamos até a conta do banco onde vai ser depositado esse dinheiro, tanto o do Governo Federal quanto nossa contrapartida”, detalha o secretário.

Comentários

Enquete

Em relação aos candidatos à presidência da república, você está?

  • Confuso (a)
  • Definido (a)
  • Indeciso (a)
Resultados