Política e Eleição / Notícias

26/05/18 - 13h45 - atualizada em 26/05/18 às 13h50

Presidente da Câmara de Rio Azul rebate críticas aos vereadores

Klemba defendeu atuação do Legislativo rio-azulense durante sessão que, em caráter excepcional, ocorreu na segunda-feira (21)

Da Redação 

Edson Klemba utilizou a Tribuna da Câmara para defender a atuação parlamentar dos vereadores e responder críticas recebidas

O presidente da Câmara de Rio Azul, Edson Paulo Klemba (PDT), defendeu a atuação do Legislativo durante sessão que, em caráter de excepcionalidade, ocorreu na segunda-feira (21). Klemba subiu à Tribuna para uma série de esclarecimentos e para rebater críticas feitas aos vereadores. 

PUBLICIDADE

“Não admito falarem mal dos vereadores, porque sei que todos são esforçados”, comentou. Klemba se referia a uma crítica de endereçada à Câmara quanto à função fiscalizadora do Legislativo, especialmente no que diz respeito à manutenção de ônibus da frota municipal.

PUBLICIDADE

Klemba desmentiu que o gasto em manutenção de ônibus em 2017 teria sido de R$ 5 milhões. “Foi feito um levantamento dos gastos de 2017. Foi pego o último ano da gestão 2013-2016, em que ela gastou R$ 2,4 milhões e a de 2017, que está aqui, foram R$ 2.621.742,00. Isso a de 2016, de R$ 2,4 milhões, sem óleo diesel, e a de 2017 também sem óleo diesel”, esclarece. Ainda de acordo com o vereador, se somar manutenção e óleo diesel, em 2017, foram investidos R$ 4.023.000,00. 

De serviços de mão de obra, foram gastos R$ 32.459,21; peças, R$ 2.065.000,00 – o que inclui peças para a manutenção de ônibus, máquinas, transportes da Saúde, do Esporte, enfim, todos os carros da frota da Prefeitura. Para lubrificantes e filtros, foram investidos R$ 23 mil. Diesel: R$ 1.459.000,00. Klemba apontou, também, que no primeiro quadrimestre de 2018 (janeiro a abril), foram gastos R$ 764 mil. 

O presidente da Câmara instigou publicamente à pessoa que teceu as críticas contra a atuação dos vereadores para que confira pessoalmente os relatórios de gastos da Prefeitura com transporte e disponibilizou o documento para consulta. “Falar é fácil. Dizer que os vereadores estão dormindo, porque ele tem que abrir uma ação para ver o que está acontecendo, acho que não tem necessidade nenhuma. Se quiser aparecer, o povo já está saturado de escutar besteira. E vou deixar para esse cidadão, já que ele não tem coragem de aparecer na Prefeitura, vou deixar nas mãos do secretário, que venha procurar aqui na Câmara. Que venha ler e entender todos esses relatórios. Se ele não entender, pode me chamar, que eu venho explicar; para ele não falar que os vereadores não fazem nada. Está aqui toda a documentação. De R$ 2,6 milhões para R$ 5 milhões, falta bastante”, contestou. 

“Saiu uma licitação do governo federal a respeito dos ônibus. Infelizmente, para nós só tem um em análise”, disse o presidente, que recomendou aos demais vereadores que cobre do deputado federal que representa sua sigla que empenhe emendas nesse sentido. Klemba assegurou que buscaria mais recursos em Brasília durante essa semana, em viagem que fez à capital federal junto do vice-presidente da Câmara, Leandro Jasinski (PV). 

Quanto aos ônibus do município, o presidente da Câmara convidou os demais vereadores para visitarem as empresas responsáveis pela manutenção da frota. “Convido os senhores, pois acho que as empresas que estão fazendo as manutenções dos ônibus não estão sendo suficientes, por todas essas quebras, e essas coisas que estão acontecendo. Convido os vereadores a formarmos uma Comissão e solicitarmos à Prefeitura quais são as empresas que ganharam a licitação de manutenção, inclusive do pátio também e irmos lá para descobrir o porquê de tanta quebra e se a manutenção feita é adequada ou não”, disse. 

“Hoje, as empresas que ganham, se você não estiver em cima e pedindo a peça, que é removida do equipamento, que é retirada e trocada, eles põem uma de má qualidade. Eu sei que funciona assim, porque eu trabalhei muitos anos em Setor da Prefeitura e ouvíamos essa reclamação, de que colocavam peças de segunda qualidade ou talvez até recondicionar a própria peça e voltar a colocá-la e cobrar por uma nova. Eles jogam o preço lá em baixo muitas vezes, para poder ganhar uma licitação. Quem paga por tudo isso são nossas crianças, que muitas vezes acabam sem esse transporte”, lamentou o vereador Valdir Siqueira (PR), em aparte. 

Klemba se comprometeu em agendar uma data em que todos os vereadores interessados em executar essa fiscalização in loco possam participar e convocar a todos para visitar as oficinas e empresas que fornecem peças para colocar o assunto a limpo e, posteriormente, divulgar o resultado para o público. 

“Os documentos estão aqui na mão do secretário, sobre as despesas de 2017 até abril de 2018. Procure, que está aqui. Se não entender, pode me chamar para explicar”, reiterou Klemba. 

Praça Tiradentes 

Depois que, nas últimas sessões, a Praça Tiradentes virou centro do debate entre alguns vereadores que defendem o tombamento histórico do local, na próxima sessão, na terça-feira (29), o arquiteto Diórgenes Ditrich, da Associação dos Municípios do Centro-Sul do Paraná (Amcespar), vai explanar na Tribuna sobre o projeto de revitalização do logradouro. A elaboração do projeto está a cargo da Associação. 

O arquiteto foi convidado pela Presidência da Câmara para sanar as dúvidas dos vereadores quanto ao projeto, tanto da parte de quem é favorável quanto de quem é contrário. A Câmara defende que o projeto de revitalização seja divulgado para conhecimento público antes de se definir pela sua aprovação ou não. 

Ditrich vai apresentar o orçamento e o projeto em 3D da revitalização, para que todos entendam o que se pretende fazer. “Fiz o convite para todo o comércio do Rio Azul comparecer aqui na Câmara nesse dia para ver essa explicação e argumentar o que for necessário, para ver se há algum problema ou não em fazer essa revitalização da praça”, complementou Klemba. 

“Essa pessoa, que muito fala da Praça, também está convidada a comparecer, na terça-feira que vem (29). Sei que alguém vai levar essa notícia para essa pessoa. Esteja convidada e apareça para fazer perguntas, se for necessário”, disse. 

Emenda à Lei Orgânica 

Tramita na Câmara de Rio Azul a proposta de emenda à Lei Orgânica, apresentada pelos vereadores Jair Boni (PSB), Sérgio Mazur (PSD), Cesar Martins dos Santos (PROS) e Valdir Siqueira (PR). A proposta de emenda acresce um parágrafo ao artigo 11, com a seguinte redação: “Os bens públicos Praça Tiradentes, Parque Municipal Ambiental Salto da Pedreira e semelhantes, sobre os quais há interesse cultural ou ambiental, e que possuem significado histórico, ficam preservados em sua estrutura original e qualquer interferência física que venha a alterar esta estrutura deverá ser precedida de realização de audiência pública, com participação da população em geral. 

Os propositores justificam a emenda com base no artigo 216 da Constituição Federal, que considera que o patrimônio cultural é integrado pelos bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação e à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade, nos quais se incluem, entre outros, as edificações e demais espaços públicos, a exemplo do que são a Praça Tiradentes e o Parque da Pedreira. 

Os vereadores também se baseiam os incisos II e III do artigo 23 da Constituição, que atribuem à União, aos Estados e Municípios a competência comum de proteger e impedir a destruição das obras e de outros bens de valor histórico, artístico e cultural. 

Quanto à defesa da preservação da Praça Tiradentes como patrimônio histórico da cidade, os proponentes destacam a relação intrínseca das praças no surgimento das cidades, por ser um espaço comum em todas elas, ao redor da qual a cidade se constitui e se desenvolve. Os vereadores argumentam também que o logradouro faz parte da memória coletiva da cidade. “O fato de a Praça Tiradentes ter surgido junto com a cidade, embora oficializada somente meio século depois, diz muito de seu valor cultural, já que, desde o início, fez parte do cotidiano dos rio-azulenses, acompanhando as transformações e evoluções da sociedade, constituindo-se num retrato do modo como a população”, citam. 

Os vereadores indicam que, desde sempre, a Praça Tiradentes representou um espaço de socialização, de lazer, de civismo, de expressão de religiosidade e de cultura para o rio-azulense e não há como negar que o logradouro é um importante elemento da malha urbana. 

Centenário de Rio Azul 

A menos de dois meses para as comemorações oficiais do Centenário de Rio Azul, celebrado em 14 de julho, Klemba afirmou na Tribuna que o Executivo ainda não convidou a Câmara para discutir detalhes sobre a solenidade, nem sabe se haverá ou não desfile. Klemba disse que tudo o que sabe sobre o evento ele ouviu de terceiros. 

A Câmara de Rio Azul elaborou uma programação própria para esse período de comemorações. 

Descontinuidade da Fanfarra 

Pelo requerimento 041/2018, Valdir Siqueira solicitou que o secretário municipal Osvaldo Kosciuk Junior, que responde pela pasta de Cultura, seja oficiado a se manifestar sobre quais seriam as justificativas para não continuidade da Fanfarra Municipal, iniciada na gestão anterior.

De acordo com Siqueira, a fanfarra contribuía para despertar o gosto pela música e a harmonia, pelo trabalho em equipe e, principalmente, a vivência de valores indispensáveis para o convívio social, como o espírito de colaboração, solidariedade e sensibilidade. 

No requerimento, o vereador destaca que até 2016 a Fanfarra Municipal de Rio Azul esteve presente em diversos eventos culturais da cidade e pontuou que, infelizmente, desde o ano passado o projeto foi suspenso. Siqueira lamentou a descontinuidade do projeto, por considerar que o fomento à cultura com a participação de adolescentes e jovens, além da prática esportiva, também é fundamental para a construção da cidadania.

Comentários

Enquete

Feriado N. S. Graças 27 de novembro em Irati

  • Não concordo
  • Concordo
Resultados