Rádio Najuá

Funcionários do Darcy Vargas encerram greve

20/11/14 - 23h38 - Atualizado em 20/11/14 - 23h38
Rodrigo Zub

Funcionários optaram em encerrar a greve após reunião realizada na noite desta quinta-feira, 20, na Câmara de Rebouças
A greve dos funcionários do hospital Darcy Vargas, em Rebouças, foi encerrada na noite desta quinta-feira, 20. No início da semana, os funcionários cruzaram os braços por falta de pagamento. São quase três meses sem receber salários.

Somente nesta quinta-feira, 20, foram realizadas três reuniões com funcionários e vereadores para buscar uma solução. No último encontro, o presidente do hospital, José Amilton Massoqueto (Bepe), apresentou um ofício afastando o atual administrador Darci Rodrigues da Silva. A saída do profissional era uma das reivindicações dos funcionários para retomar o atendimento no hospital. “A regra era clara. O administrador saía ou continuava a greve. Ele cogitou a possibilidade de prosseguir mais 30 dias. Se isso acontecesse, nós continuaríamos a greve no mesmo período. Pedimos o afastamento do Darci e mencionamos que voltaríamos a trabalhar mesmo sem salário, mas desde que o afastamento dele fosse confirmado”, diz o técnico em informática, Márcio Gobor, funcionário do hospital.

Para solucionar o problema dos salários atrasados, os vereadores de Rebouças resolveram abrir mão de parte do orçamento repassado para a Câmara no mês de dezembro. Desta forma, os parlamentares pretendem fazer a devolução de R$ 54 dos R$ 100 mil repassados mensalmente pelo executivo. Com isso, o dinheiro seria encaminhado ao hospital para pagar os salários atrasados do mês de setembro.

“Lógico que em cima disso existem algumas restrições que a gente estará exigindo tanto da diretoria do hospital como da prefeitura para que tomem essas providências. A primeira é o afastamento imediato do administrador do hospital e o segundo que esse dinheiro seja repassado integralmente para a folha de pagamento dos funcionários”, afirmou o presidente da Câmara de Rebouças, o vereador Laércio Cipriano (PT), em contato com a reportagem da RPC/TV.

Segundo o presidente do hospital, os problemas serão resolvidos até segunda-feira, 24. Dos 43 funcionários que trabalham no local, cinco pediram demissão no período que ficaram sem receber salários. Márcio acredita que os funcionários podem voltar a atuar no hospital, assim que os pagamentos em débito sejam quitados, e a partir da confirmação do afastamento do atual administrador.

De acordo com Márcio, foi formada uma comissão de vereadores para acompanhar o processo de devolução do dinheiro da Câmara para o hospital, assim como os demais trâmites burocráticos e exigências dos funcionários, que não abrem mão do afastamento do administrador da instituição.

“Foi uma vitória para nós. Durante a reunião realizada agora à noite, o presidente da comissão, vereador Andre Piskorz, leu o ofício encaminhado pelo presidente do hospital falando do afastamento do atual administrador. Mesmo com a Câmara devolvendo o dinheiro, não voltamos a trabalhar com o atual administrador. Assim que recebemos essa informação do afastamento do Darci, voltamos imediatamente a trabalhar e encerramos a greve. A equipe da noite já retornou ao trabalho e os funcionários de cada setor irão retomar as atividades gradativamente”, explica Márcio. De acordo com ele, ainda não foi decidido quem será o novo administrador do hospital caso seja confirmada a saída de Darci.

Hospital aguarda empréstimo

Para quitar todos os débitos com os funcionários, o hospital aguarda a liberação de um empréstimo junto à Caixa, por intermédio da Secretaria Estadual de Saúde. O empréstimo seria no valor de R$ 260 mil, mas com valor líquido liberado de R$ 115 mil (o restante fica retido pela Caixa), o que não seria suficiente para cobrir as folhas de pagamento que custam, mensalmente, R$ 54 mil líquidos, sem os encargos trabalhistas (previdência, FGTS etc.), de acordo com o funcionário.

Situação financeira

Com a greve apenas 30 % do efetivo estava trabalhando. Somente atendimentos de urgência e emergência estavam sendo realizados. Um médico e uma equipe de enfermagem permaneciam de plantão para prestar atendimento.

Todos os atendimentos realizados no Darcy Vargas são pagos pela prefeitura e o SUS, que juntos repassam R$ 140 mil por mês ao hospital. Contudo, esse valor não tem sido suficiente para arcar com todos os custos. Hoje, o hospital acumula uma dívida de R$ 1 milhão, já os funcionários não recebem salários há quase três meses.