Futebol / Esportes

12/02/20 - 23h13 - atualizada em 12/02/20 às 23h19

Atletas de Rebouças passam em seletiva da Chapecoense

Ágatha Allana Dadona e Ana Paula Tulio se mudam para SC dentro de duas semanas

Da Redação, com reportagem de Tadeu Stefaniak, Ademar Bettes e João Maria Rodrigues 

Ágatha Allana Dadona e Ana Paula Tulio estiveram no programa "Show de Bola" da Super Najuá para contar detalhes da seletiva realizada em Santa Catarina

A volante Ágatha Allana Dadona, de 17 anos, e a atacante Ana Paula Tulio, 16, ambas de Rebouças, iniciam os preparativos para a mudança para Santa Catarina, que ocorre dentro de duas semanas. As duas foram aprovadas na seletiva da ADELL/Chapecoense, da qual participaram cinco meninas de Rebouças. Ao todo, mais de 50 atletas, de diversos estados, participaram das avaliações, entre 27 e 31 de janeiro, em Chapecó (SC). Do Paraná, apenas mais duas meninas foram aprovadas além das duas reboucenses. A Chape selecionou, ao todo, 13 atletas.

Logo que souberam das seletivas, as adolescentes buscaram patrocínios para auxiliar nos custos: inscrição, viagem, hospedagem e alimentação. Ainda que tenham sempre participado de campeonatos regionais, foi a primeira avaliação em um clube de renome nacional.

“Já vínhamos jogando vários campeonatos municipais e regionais e, no ano passado, teve a 1ª Copa Vale do Mel e, nessa competição, jogou comigo a Vanusa. Ela mora em Rio Azul e é tia do Eli e do Renan, que jogam no Chapecoense. Ela indicou essa seletiva e me passou todos os dados e informações e fui atrás. Foi aí que contatei a Ana Paula e as outras meninas que foram conosco para Chapecó”, conta Ágatha.

Segundo Ana Paula, a Prefeitura de Rebouças prestou apoio e forneceu transporte até Chapecó. Ainda de acordo com ela, o pai de uma das atletas as acompanhou na viagem. Além das duas, Tamires, Thaís e Jaqueline participaram das seletivas.

“Desde o início, os treinamentos foram bem intensos e eles puderam avaliar, enquanto estávamos jogando, tanto a parte psicológica [quanto a física]. Fizemos muitas amizades lá, foi incrível, uma experiência muito boa”, avalia Ana Paula. O nível das demais atletas que participaram da seletiva, conforme a reboucense, era alto e as que foram escolhidas tinham algo a mais, um detalhe que as diferenciava. “Selecionaram aquelas que tinham algo de diferente, que se destacava”, completa.

Quer receber notícias pelo WhatsApp?

PUBLICIDADE

Ágatha antecipa que, dentro de alguns meses, já devem representar a Chapecoense em importantes competições, como o Campeonato Brasileiro, tanto no Sub-18 quanto no adulto, em que a Chape está na Série A2. A volante demonstra bastante animação em jogar pelo clube, que possui o maior número de convocações para a Seleção Brasileira de Futebol Feminino. “Atualmente, temos duas atletas do Sub-17 que vão jogar conosco nos treinamentos e estão na Seleção Brasileira. Uma delas é zagueira e capitã”, acrescenta.

Ana Paula ainda está concluindo o ensino médio e Ágatha já está de olho no ensino superior. Ela conta que a Chape possui convênio com uma faculdade do município de Chapecó, que fornece bolsa integral para as atletas.

Em maio de 2018, a Associação Chapecoense de Futebol firmou convênio com a Associação Desportiva Lourdes Lago (ADELL), quando foi instituída a modalidade de futebol feminino profissional no clube. O regulamento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) passaram a determinar que, a partir de 2019, clubes de futebol brasileiros que não apoiassem o futebol feminino – ou seja, que não inscrevam equipes femininas em competições nacionais – não podem participar da Copa Libertadores da América.


Comentários