Matérias / Irati de Todos Nós

09/08/12 - 16h21 - atualizada em 09/08/12 às 17h28

O maravilhoso futebol de Irati - Parte VI

Por José Maria Gracia Araujo                        
                   

“O esporte, quando se adapta as necessidades e habilidades específicas de cada individuo, constitui fonte de saúde e equilíbrio. Leva o ser humano a atuar e participar num campo de ação que fica á margem das contingências da vida diária, desenvolvendo o interesse do homem pela iniciativa e diante da responsabilidade. Dando-lhe a oportunidade de conhecer-se, de expressar-se, de superar-se, permitindo-lhe disciplinar suas ações e aumentar seu rendimento. Liberta-o de certas limitações físicas e, ao fazê-lo, revela-lhe uma liberdade – a liberdade física – que de outro modo raras vezes é experimentada”.
Este é parte do texto “O DESENVOLVIMENTO DO HOMEM MEDIANTE O ESPORTE”, contido no livro O ESPORTE EM IRATI, do Professor José Maria Orreda.

O Meu Boa Tarde a todos vocês, meus prezados ouvintes. Ouvintes que, de uma forma ou de outra, praticam alguma modalidade de esporte, por esse iratizão a fora. Ouvintes que ocupam seus momentos de lazer, correndo atrás de uma bola, fazendo suas caminhadas pelos recantos bucólicos do nosso Irati urbano ou rural, ou mesmo aqueles que, sobre suas bicicletas, rodam pelas nossas ruas, parques ou estradas. A todos vocês, como, também, á aqueles que já não podem mais praticar algum tipo de esporte, eu desejo muita saúde, paz, harmonia e amor em seus lares e em seus corações. Desejo, também, mandar um forte abraço para meu amigo Jorge Lara, e todo aquele pessoal maravilhoso lá do Rio Corrente que, todos os sábados, nos dão a honra de suas audiências. Jorge, não se esqueça quer você me prometeu alguns causos ai da tua comunidade. Estou esperando para conta-los em meu programa.  

E, dando seqüência a maravilhosa história dos esportes e do futebol de Irati, chegamos ao ano de 1932. Ano em que os noticiários esportivos não nos brindaram com muitas matérias, como havia acontecido nos anos anteriores. Encontrei, apenas, o seguinte relato: Em 1932 o Iraty Sport Club venceu o torneio início do certame promovido pela Liga Esportiva Sul Paranaense. Conquistou, também, o título máximo do campeonato, existindo ainda em sua galeria de troféus as duas taças de campeão da LESP. Participaram do campeonato o Club Athetico Teixeirasoarense, Pinheiros Sport Club, Apollo Futebol Club, Iraty Sport Club, Sport Club Cruzeiro do Sul e Rebolcense Futebol Club. Nada mais, nada menos que seis fortes clubs regionais. Uma ótima competição, para uma época conturbada politicamente. 


No ano seguinte de 1933, no dia 28 de maio, o Jornal O MEQUETREFE, editado por Alfredo Leite (Doca Leite), publicou a seguinte notícia: “Realiza-se hoje, no campo do Iraty Sport Club, no Rio Bonito, o Torneio Início do campeonato de foot-ball de 1933, promovido pela LIGA ESPORTIVA SUL PARANAENSE e com o concurso de quatro clubs seus filiados. O Torneio será dirigido pelos membros dos Conselhos Director, Techinico e de Sindicâncias e terá início improrrogavelmente às 14:30 horas.
O sorteio dos jogos teve o seguinte resultado:

                               1º Mallet Sport Club       x       S.C. Cruzeiro do Sul
                               2º Iraty Sport Club         x       Riozinho Sport Club
                               3º S.C.Cruzeiro do Sul    x      Iraty Sport Club
                               4º Mallet Sport Club       x      Riozinho Sport Club
                               5º S.C. Cruzeiro do Sul  x      Riozinho Sport Club
                               6º Mallet Sport Club       x      Iraty Sport Club

Foram escalados para servirem de juizes nas partidas supra os Snrs. Flavio Ferreira, Jorge Brandão, Theodoro Zeni, Alfredo Gomes, Antonio da Silva e Emilio Arzua. O torneio obdeceu, entre outras coisas, aos seguintes itens do seu regulamento geral: 01 - O torneio será pelo systema de pontos, marcando um ponto a cada club por partida empatada e dois pontos ao club vencedor, por partida ganha. 02 – Os jogos terão duração de 20 minutos, divididos em dois tempos de 10 minutos cada um, sem descanso e sem prorrogação. Eita, regulamento, porreta seo! E, ainda tem mais:

As entradas serão cobradas aos seguintes preços:

                                 Cavalheiros.....................................2$000
                                 Senhoras e senhoritas.........................1$000
                                 Ingressos da LESP..............................1$000
                                 Sócios do Iraty S.C. (Talão Abril).............1$000

Ao vencedor do Torneio a LESP conferirá um bronze que estará exporto nas bilheterias do campo, sendo também, entregue, nessa ocasião, uma elegante taça ao Iraty Sport Club como premio pelo campeonato de 1932.

Meu caro professor Orreda, estamos agora em pleno ano de 1934. Me parece que foi neste início da década de 30 que Irati deu os seus primeiros passos mais importantes em busca da prática de outros esportes, além do já tradicional futebol, praticado em nosso município desde o ano de 1913, aproximadamente. Não é mesmo?

Acredito que sim, Zé Maria Araújo. Além de alguns relatos sobre as cavalhadas, as carreiras de parelhas de cavalos e outras atividades esportivas menos populares para a época, não me vem à memória outros esportes que tenham sido praticados por aqui, antes disso. 

Em seu livro, professor Orreda, na página 79, pode-se conferir as seguintes informações: Em 1934 foi construída a segunda quadra de tênis de Irati, nos fundos da residência do Sr. Antonio Xavier da Silveira, na Rua 15 de julho. Os trabalhos foram executados pelos próprios tenistas, que retificaram o piso, distribuíram o saibro, e outras tarefas mais. Nessa época o tênis era praticado apenas por homens, mas foi nessa quadra que as mulheres iniciaram uma revolução nos costumes esportivos e iniciaram a, também, praticar este novo esporte. Pode-se citar entre as primeiras mulheres iratienses a aderir ao tênis: Linda Crissi, Luiza Marchiori, Edite Toledo, Rosa Garzuze, Elvira Marchiori, Romana Cherosnicka, Teodozia Gontarski, entre tantas outras. 

Já, a prática do basquetebol e do voleibol em nossa cidade ocorreu em 1934, através da Sociedade Esportiva JUNAK 8, entidade filiada a Sociedade Polonesa Wolnosc, atualmente denominada Sociedade Beneficente e Cultural Iratiense. A JUNAK construiu junto à sede do Clube Polonês a primeira quadra para a prática destes esportes em Irati.

Mas, retornando para o futebol foi, também, naquele ano de 1934 que o nosso grande iratiense Nicanor de Vasconcellos (Canoco) sagrou-se campeão paranaense, jogando pelo glorioso Clube Atlético Paranaense. Como, também, Ângelo Biacchi Sobrinho (Nininho), que jogando pelo Iraty Sport Club, foi jogar no São Paulo Futebol Clube, da Capital Paulista.
Outro acontecimento futebolístico relevante acontecido neste mesmo ano de 1934 foi a participação da nossa Seleção Brasileira no Campeonato Mundial da Itália. Nesta ocasião jogamos com: Pedrosa, Sylvio Hoffmann e Luiz Luz; Tinoco, Martim Silveira e Canale; Luiz Oliveira, Valdemar, Leônidas da Silva, Armandinho e Patesko. 


Bem, agora vamos para o ano de 1935. O que será que este ano nos reserva de bom nos esportes de Irati e região? Estou curioso, e vou logo para a página 81, do seu livro, professor Orreda. Vamos ver o que vamos encontrar por lá.

Que que isso, minha gente? Não estou acreditando no que estou vendo, professor José Maria Orreda. É mesmo um avião “estacionado” em um campo de futebol? Não pode ser. Isso deve ser uma montagem fotográfica da época. Como o amigo consegui isso para colocar em seu livro?

Bem, Zeca Maria Araújo, isso não é ficção e muito menos uma montagem fotográfica, pois naquele ano de 1935 nem se imaginava ou se poderia tecnicamente fazer esse tipo de coisa. É a pura realidade. Isso aconteceu mesmo e eu vou te contar tim, tim por tim, sobre isso. 

Em agosto daquele ano de 1935, um avião do correio que fazia a rota entre Curitiba e Faz do Iguaçu, por motivos de pane na aeronave, pousou no campo do Iraty Sport Club, um dos poucos locais abertos da região, pois toda a redondeza apresentava-se coberta de vegetação, altas ou baixas. Como não poderia deixar de ser, foi um acontecimento memorável. Toda a população da cidade correu para o local e todos queriam chegar perto do estranho aparelho e, se possível, até tocá-lo. Foi uma loucura que ficou marcada na lembrança de todos por muitos e muitos anos.

Antonio Lopes Júnior escreveu o seguinte, sobre o acontecimento: “O PRIMEIRO AVIÃO QUE IRATY CONHECEU”. Em 1935, por necessidade premente, um avião foi obrigado a descer no campo de futebol do Iraty Sport Club. Pilotava-o um então tenente conhecido pela alcunha de Mello Maluco (só poderia ser mesmo). Sua perícia foi admirada por todos. Foi uma sensação extraordinária a descida desse avião em Irati”. 


É pouco ou querem mais? O campo do Iraty já se prestou até como aeroporto e hoje? Bem... hoje esta fadado a desaparecer, será que vamos deixar que isso aconteça?

Deixa pra lá, não vamos nos apavorar antes do tempo. E além do mais, temos ainda muitas coisas maravilhosas para contar sobre o futebol do nosso querido AZULÃO, assim como, sobre os demais clubes e esportes da nossa querida Irati.

Escutem só, prezados ouvintes! Esta noticia foi dada na edição de número 01 (um) do nosso glorioso, porém já extinto Jornal O CORREIO DO SUL, em 03 de outubro de 1935. “A laboriosa Colônia Syria, vem realisar uma de suas velhas aspirações, instalando nesta cidadã a Rua 15 de Novembro, sede do Club Syrio, o que representa mais um grande passo da sociedade iratyense, representando também o ascendrado amor syrio e libanez pelo progresso de Iraty”.

Professor Orreda eu, pessoalmente, já ouvira falar de que a colônia síria foi muito grande e importante, lá no inicio da nossa cidade. Pouco se ouve falar nesta etnia como base da nossa cultura, porém, acredito que ela deva ser sempre lembrada como formadora da nossa história, não é mesmo?

É isso aí, Zé Maria, estou de acordo com você.

Mas, vamos em frente, senão os cavalos atropelam a gente. Está eu criei nesse exato momento, e que vem muito a calhar, senão vejamos o que o CORREIO DO SUL publicava em sua edição de número 03, em 20 de outubro de 1935:

“Desafio na Raia do Rio Bonito. Os adeptos de corridas de animais estão de parabéns, porque realizam-se hoje na cancha do Rio Bonito, ás 2 horas da tarde, dois magníficos desafios. A primeira corrida é entre duas éguas zainas, de meio sangue de propriedade dos snrs. Joaquim Padilha e Valentim Schipanski.
O segundo desafio é de animais que quarto de sangue, sendo a petiça do snr. Luiz Galiciolli contra o cavalo tostado do snr. Orlando Rodrigues. Para ambas as corridas reina grande animação e interesse dos partidários”.

Viram só, meus ouvintes! Nem só com esportes praticados com bola se proporciona entretenimento a uma comunidade. As raias destinadas as carreiras com cavalos, também nos proporcionaram lazer e alegria em nosso passado esportivo.

Professor Orreda, essa informação que vou ler para os meus ouvintes, me causou uma emoção muito intensa. Estou até com algumas lágrimas nos olhos. Trata-se de um depoimento dado pela minha querida e inesquecível TIA MARIQUINHA, ou Olívia Maria Anciutti Grácia. Assim dizia ela: 

“Meu pai, João Baptista Anciutti, chegou ao Riozinho em novembro de 1907. Logo após, para os trabalhos da serraria, chegaram várias famílias descendentes de italianos, vindos de Campo Largo. O jogo de Bocha começou, então, a ser praticado. Meu pai construiu uma cancha junto às cocheiras, na frente da sua casa, perto da linha da Estrada de Ferro. Antes da bocha, jogava-se muito a cachola. Quando voltei do Colégio Cajuru em 1918, eu também jogava bocha. Éramos uma grande família”. Este depoimento foi dado por Tia Mariquinha em 1987, ocasião em que ela estava com 83 anos de idade. Que saudade!

Ainda, sobre os primórdios do jogo de bocha em irati encontrei alguns outros depoimentos em seu livro, caro professor Orreda. Estes, agora, são dos mais diversos adeptos desta antiga modalidade de esporte em Irati, que relataram o seguinte:
“O Ancinho foi o grande jogador de bocha de Irati” o mais antigo praticante desta modalidade em nosso meio – afirmou em 1987, Izaias Esmanhoto, que a época estava com 84 anos.
 
“Era campeão paranaense e surrou os paulistas, colocava a bola onde queria” – acrescentou João Mosele, com 82 anos.

“Hans Christiano Ângelo, chamado Ancinho, meu pai” – dizia Elzo Ângelo – “construiu as duas canchas do Clube Operário, na Rua XV, onde permaneceu como encarregado do bar até 1938. Eu era menino e ajudava molhar as canchas” – concluiu Elzo Ângelo.

São depoimentos como estes, professor Orreda, que nos emocionam muito, mesmo nos dias de hoje, já passados quase cem anos de suas ocorrências. Não é mesmo?

É por isso, Zé Maria Araújo, que eles estão grafados em meu livro. Ali estão para que o povo de nossa querida Irati, possa avaliar as dificuldades, as alegrias e o romantismos daqueles velhos tempos em Irati. 

Opa! Que qué isso, meus amigos ouvintes? Na página 83, deste maravilhoso livro sobre o esporte de Irati, aparece uma notícia no Jornal CORREIO DO SUL, no mínimo alarmante. Vejam só, meus amigos: 

CORREIO DO SUL – Nº 04 de 27 de outubro de 1935 – “Ao que parece está em decadência o esporte nesta cidade. Os clubes não dão o ar da graça. A Liga Esportiva Sul Paranaense, por sua vez se esforça para o reinicio do campeonato. Os jogadores é que andam tratando entre si de realizarem algum encontro amistoso. Talvez a victoria do Atlético da Capital do Estado tenha arrefecido os ânimos dos dirigentes da LESP”. Será que uma crise em nossos esportes estava a caminho, naquele final de ano de 1935?

Tudo apontava para um início de crise esportiva, mas a Liga reagiu imediatamente e o CORREIO DO SUL em sua edição de nº 05 de 03 de novembro, já anunciava:

“O Conselho Diretor da LESP em reunião hontem realizada resolveu o seguinte:

1º - Escalar para jogarem domingo dia 3 de novembro, os clubs Iraty Sport Club versus Pinheiros S.C. no campo do Iraty e os clubs Guarany S.C. versus Palestra, no campo do Guarany em Rebolças.

2º - Representarão o Conselho Diretor nos jogos acima os Snrs. Octacílio Ferreira e Oscar Diedrichs, respectivamente em Irati e Rebolças.

E aí, então, a crise foi afastada e tudo continuou como dantes no quartel de Abrantes. Isto é, o nosso esporte seguiu de vento em popa, navegando por mares calmos e tranqüilos.

E como ultima noticia daquele ano de 1935, temos o seguinte:
IRATY TENIS CLUB – “De ordem do Snr. Presidente convido a todos os senhores sócios do Iraty Tênis Club para uma reunião extraordinária a realizar-se 2ª feira próxima dia 09 de dezembro, às 08 horas da noite no Club do Commercio, gentilmente cedido, a fim de se eleger a nova Diretoria que irá reger os destinos desta nobel sociedade no exercício de 1936, bem como tratar de outros assumptos de interesse para o nosso club”. Iraty, 08 de Dezembro de 1935 – Manrique Neiva de Lima – Secretário. 


Ufaaaaaaaaaaa! Quanta agitação esportiva e social, nossa sociedade usufruiu naqueles anos iniciais da década de 30. Isso tudo, apesar das grandes dificuldades políticas pelas quais o Brasil passava na ocasião. Será que nos dias de hoje teremos tanta ousadia e força de vontade para superar os percalços esportivos que nos desafiam em pleno século XXI – Será?

Até o sábado que vem que aqui, com certeza, estaremos para lhes trazer um pouquinho mais desta maravilhosa história dos esportes em nosso passado. Até lá.




Comentários

Enquete

Reforma da Previdência

  • Nenhuma das respostas
  • Não deve mexer nos que ganham menos
  • Não é necessária
  • Deve ser ampla
Resultados