Matérias / Irati de Todos Nós

10/08/12 - 16h32 - atualizada em 10/08/12 às 16h53

O maravilhoso futebol de Irati - Parte VII

Por José Maria Gracia Araújo                                      

                                                    
“Folgamos em registrar que a Sociedade Thalia já tem o terreno para sua sede. De grande alegria é a noticia que a Sociedade Thalia, novel associação que hontem foi fundada, graças aos esforços de sua actual diretoria, vem de avançar mais um paço na senda do progresso. Esta sendo lavrada a escriptura da compra, pela Sociedade Thalia, de um terreno destinado a sua sede, e situado na Rua Dr. Afonso Camargo”. Esta maravilhosa notícia foi publicada no jornal O SUL – número 35 de 27 de abril de 1930, e tinha me passado despercebida, quando comentei os acontecimentos esportivos e sociais daquele ano de 1930. Fica, portando, registrado que Irati foi, realmente, muito bem servido de Clubes esportivos e recreativos em seu passado social.

O meu Boa Tarde a todos vocês, meus prezados ouvintes, desejando que as comemorações dos 105 anos da nossa querida Irati, tenha sido, para todos, bastante auspiciosa e repleta de muito civismo, lazer, diversão e alegria. Salve Irati nos seus 105 anos de profícua e gloriosa existência.

Estamos em pleno ano de 1936. Irati, apesar da crise política que reina no país, segue seu rumo ao futuro, sem muitos percalços. Na política, nosso prefeito era Mario Pimentel Camargo, eleito para o período de 1932 à 1938. Mas, com o retorno do país ao regime constitucional em 1935, Mario Pimentel foi reeleito para  os anos de 1936 é 1940. Já, nos outros setores das atividades financeiras, sociais e esportivas, tudo se desenvolvia com muita dedicação, esforço e euforia.

Já no dia 09 de fevereiro, daquele ano de 1936, O CORREIO DO SUL n. 19, noticiava: “Realiza-se hoje no campo do Iraty Sport Club, às 14 horas, um grande embate pebolistico entre os primeiros quadros do Iraty Sport Club e do Palestra Foot-Ball Club.”

“No esporte da Bola ao Cesto teremos em nossa cidade, no dia 16 do corrente, a seqüência do certame inter-estadoal. Neste dia realizar-se-á um formidável embate de bola-ao-cesto entre as turmas da Sociedade Esportiva Junak 8 e sua congênere Sociedade Esportiva Junak 17, de Três Barras, Santa Catarina. A partida principal realizar-se-á às 15 horas, sendo que antes do jogo, haverão corridas, saltos em altura e distância assim como outras modalidades esportivas”. 


Continuando ainda, o CORREIO DO SUL, informava: “O presidente do Club Operário offerece uma taça para ser disputada em uma partida amistosa do Iraty Sport Club, sendo a renda em benefício do Hospital.” 

Esse jogo aconteceu no dia 14 de junho de 36 e foi em disputa da taça Prof. Elysio Viana, como estava previsto, em benefício do Hospital de Caridade de nossa cidade. O Iraty S.C. jogou em seu campo contra o Gymnasio Novo Atheneu, de Curitiba e o resultado foi um empate de 2 x 2.
Pensam que acabaram as novidades, para aquele início de ano de 1936. Não acabaram não! Muitas outras atividades sociais e esportivas estariam acontecendo aqui em nosso Rio de Mel.

E lá vem o CORREIO DO SUL, noticiando mais agitação para o meio social iratiense: “São os seguintes os bailes carnavalescos nesta cidade: Hoje – Acontecerão bailes de carnaval no Club do Commercio, Sociedade Alemã e Club Ukraino. No domingo – No Club do Commercio, Club Ukaino, Club Operário e Club Polonez. Na segunda Feira – No Club Alemão e no Club Syrio e na Terça Feira – No Club do Commercio e no Club Polonez. É pouco ou querem mais, meus prezados ouvintes. Nada mais, nada menos que onze (11) bailes carnavalescos oferecidos por cinco (05) diferentes sociedades. E isso tudo, sabem quando? Em 1936, em pleno período de exceção política em nosso país. Como sabiam viver nossos antepassados. Nos dias atuais, nossos clubes estão às moscas, nossos carnavais não passam de arremedos sociais e nossas principais sociedades foram reduzidas a três. Que saudades dos velhos e bons tempos, quando Irati era feliz, romântica e fraterna. 

Ho, Magú! Por favor, abra a porta para o professor José Maria Orreda, ele esta chegando para abrilhantar ainda mais o nosso programa de hoje.

Boa tarde, professor Orreda, nós e os nossos ouvintes já estávamos sentindo a ausência do amigo em nosso programa. Mas fique sabendo que, além de todo o conteúdo que seu livro nos oferece, sua presença aqui também é muito importante para todos nos.

Boa tarde Zé Maria Araújo. Boa tarde Magú e, principalmente, boa tarde a todos os ouvintes deste importante programa IRATI DE TODOS NÓS. Realmente me atrasei um pouco, mas fiz questão de marcar minha presença aqui nesta prestigiosa Emissora. E desde já me coloco a sua disposição para, como nas vezes anteriores, intervir quando for solicitado. 

Professor Orreda, estávamos informando aos nossos ouvintes sobre o quanto foi intensa a movimentação social e esportiva, daquele ano de 1936. Isso mesmo, estando o Brasil, passando por um período bastante conturbado em sua política. Não é mesmo?

Foi exatamente isso mesmo que aconteceu naqueles anos de exceção política por que passamos. Felizmente, nosso povo soube, muito bem, contrabalançar os problemas políticos com eficácia, e amenizou as suas dificuldades através da amizade, da convivência em grupo, da cordialidade, do lazer e do esporte. Não se esquecendo, também, da sua grande crença em suas diferentes religiões. Isso foi muito importante, naquela difícil época.

Dificuldades e tristezas a parte, vamos em frente, que atrás vem gente.

Os eventos sociais e esportivos foram se sucedendo com bastante freqüência. Jogos de futebol, de basquete, acompanhados de animados bailes, que eram costumeiramente oferecidos aos visitantes. No entanto, um evento viria a se destacar entre todos. Em 27 de setembro, daquele animado ano de 1936, aconteceu um grande e maravilhoso festival esportivo, no campo do Rio Bonito, mais uma vez, em benefício do nosso Hospital de Caridade. O festival foi denominado de FESTA DA PRIMAVERA. Diversas disputas esportivas foram previamente programadas para a ocasião: Gordos x Magros; Solteiros x Casados; Balcão x Escritório, provas de diversos tipos de atletismo, além do jogo do Iraty Sport Club x Palestra Foot-Ball Club e em novembro, na sede do Junak 8, jogos de volley-ball e Basket-ball. Em dezembro, foram realizados ainda, na Cancha do Rio Bonito, (a raia se situava onde hoje se encontra o DER) três páreos de carreiras: O primeiro entre a potranca tostada de Angelim Mosele contra a potranca pangaré de Eduardo Rodrigues; O segundo páreo foi da égua pampa do Paramutchak contra o cavalo tordilho de Augusto Anciutti e o terceito páreo do cavalo tordilho de Alderico de Paula Pires contra a égua zaina de Valentim Schipanski. Os competidores destinaram 5% de cada prêmio para o Hospital de Caridade, assim como o lucro do botequim. Isso sim era o verdadeiro esporte amador, disputado muito mais com o coração do que com o milhão. Só fico pensando! E se voltássemos a nos envolver somente com os esportes amadores em nosso município, será que não reconquistaríamos estas relíquias sociais e esportivas do nosso passado? Vale a pena pensar seriamente nisso, não é mesmo professor Orreda? 


Acredito que sim, Zéca Maria, a pratica dos esportes amadores sempre nos trouxeram mais benefícios e alegrias do que os esportes praticados por atletas profissionais. Basta acompanhar tudo o que esta registrado em meu livro, O ESPORTE EM IRATI, que você certamente confirmara o que estou dizendo.

Ano após ano, o ânimo esportivo do iratiense não arrefecia. Novos campeonatos, novos torneios e jogos amistosos se multiplicavam a cada ano que nascia. Assim, também, foi o movimentado ano esportivo de 1937. Foi quando, em maio daquele ano, no dia 12, ocorreu a reestruturação da Liga Esportiva Sul Paranaense, com a presença em Irati do Sr. Murilo Gomes Correia, representante da Federação Paranaense de Desportos e do Sr. José Mugiatti Sobrinho, dos jornais a Gazeta do povo e O Estado. A reunião se realizou no Club do Commercio, com representantes do Iraty Sport Club, Palestra F.C., S.E. Junak 8 e mais o Guarany e Poço Bonito, de Rebolças. A Diretoria da LESP ficou assim constituída: Presidente – David Araújo; Vice-presidente – Aleixinho Thomaz; 1º Secretário – Dr. Helly Spinola; 2º Secretário – Gumercindo Esculápio; Tesoureiros - Euclides Taborda Ribas e João Kurek.

Sobre esta importante reunião o CORREIO DO SUL, em sua edição de número 89, publicou: “É intenso o movimento dos clubes no sentido de conseguirem os melhores jogadores para garantir a eficiência de seus esquadrões no campeonato a iniciar-se em agosto próximo. É necessário que os nossos dirigentes trabalhem com denodo, para que possamos dentro de alguns meses, de acordo com a proposta da F.P.D. termos entre nós alguns clubes da capital e usufruirmos desse intercambio que nos trarão ensinamentos para os nossos esportes.” 18 de julho de 1937.

Já, no dia 26 deste mesmo mês de julho de 37, a LESP publicava a ata da primeira reunião do seu Conselho Diretor, em cuja redação, no seu artigo 5º, esta a seguinte resolução:

“A LESP irá oficializar a Federação Paranaense de Desportos, em resposta aos officios nº 110 e 124, solicitando as datas de 5 e 7 de setembro próximo vindouro para realização de duas partidas de futebol, sendo a primeira com o Corityba Foot Ball Club e a segunda com o Ferroviário S.C.”

Professor José Maria Orreda, este ano de 1937 não foi um ano de muitas atividades sociais, no entanto no setor esportivo, muitas disputas aconteceram, não é mesmo?

Bem, Zé Maria Araújo, as páginas 89 e 91 do meu livro, sobre a história dos esportes em Irati, dizem muito sobre como foi o ano de 1937 para as atividades esportivas da nossa Perola do Sul. Mas, acredito que o ano seguinte, de 1938, deva ter sido muito mais agitado neste sentido. Mas, me parece que você ainda tem mais alguns eventos a comentar, com respeito ao ano de 1937. Vá em frente!

Então, vamos lá, professor Orreda. Lembro aos ouvintes que estamos em pleno ano de 1937, agora no mês de agosto, dia 15. As noticias eram, então, muito alvissareiras e informavam ao povo de Irati que realizara-se o torneio início do campeonato da LESP – Liga Esportiva Sul Paranaense, com a participação do Iraty Sport Club, Junak 8 e Guarany de Rebolças. Sendo que o Iraty venceu o torneio ao derrotar o Guarany no jogo final.


Mas, um acontecimento esportivo muito mais importante, viria a acontecer logo a seguir, no dia 05 de setembro, daquele mesmo ano de 1937, data em que o nosso Azulão jogou, no campo do Rio Bonito, contra o Clube Atlético Paranaense. O Atlético fora campeão paranaense de 1936 e liderava a tabela do campeonato de 1937. O resultado desse confronto foi favorável ao clube da capital do estado, que venceu o Iraty por 4 x 1. A delegação visitante foi chefiada por Erasmo Mader e Ozeas Saraiva de Araújo. E já, no dia seguinte, o Atlético jogou em Rebouças, vencendo o Guarany, dirigido por José Bento Marques, por 5 x 0. Mas a temporada do “FURACÃO” em nossa região ainda não havia se encerrado. No dia 7 de setembro, dia da pátria, o rubro-negro da capital enfrentou um combinado formado pelo Iraty e o Junak 8, que quebrou a invencibilidade do clube visitante. Importante que se diga que este placar de 3 x 1 foi construído antes dos 10 minutos iniciais da partida, transcorrendo a seguir uma luta titânica do Atlético Paranaense para reverter o resultado e do outro lado, o combinado Iraty-Junak, se empenhando para manter a sua vantagem. Esta temporada foi, sem dúvidas, um grande feito da LESP, que demonstrou aos paranaenses as possibilidades e o futuro promissor daquilo que poderia vir a ser a gestão da Liga na administração dos incansáveis esportistas: Aleixo Thomaz, Antonio Pereira, Euclides Taborda Ribas, Helly Espindola e João Kurek. O Combinado iratiense, venceu o Atlético Paranaense jogando com: Socó, Canoco e Nezinho; Olivério (depois Geremias), Kurt e Tinoco; Abrahn, Nininho, Américo, Rosinha e Renato. Meneguello não jogou, pois havia se contundido no jogo do dia 05, contra o mesmo Atlético Paranaense.

Professor Orreda, pelo menos para mim, estes últimos anos da década de 30, a partir de 1936, é quando começam a aparecer no esporte iratiense alguns nomes que nos são mais familiares, fora o de meu pai Primo Araújo, é claro. Nomes como de Canoco, Nininho, Abrahan, Rosinha e Geremias, todos com os quais eu mesmo cheguei a conviver e até, bater uma bolinha, com alguns deles, já em final de carreira.

É isso aí, Zé Maria Araújo, estes e mais alguns outros nomes de atletas do nosso passado, permaneceram em nosso convivio por mais algum tempo. Alguns um pouco mais, outros infelizmente um pouco menos. Mas todos deixaram suas marcas indeléveis no nosso esporte.

Bem, já estamos no final do ano de 1937 e somente mais um ou dois eventos aconteceriam naquele ano. Senão vejamos:

Em 12 de dezembro o Iraty enfrentou o União Campo Alegre de Ponta Grossa, que formava com os seguintes jogadores: Bate Pau, Lopes e Buik; Dulcidio, Godoi e Chiquito; Verdi (que depois veio a jogar pelo Iraty), Edegar, Adbo, Javert e Leal. Já no Iraty, a direção técnica estava indecisa: Escalar Socó ou Floriano para ocupar a posição de guarda-meta (goleiro, como era chamado antigamente), era a dúvida, é que ambos eram merecedores da posição devido as suas excepcionais atuações. Já, a linha atacante do Iraty seria formada por Abrahm, Nininho, Meneguello, Moreno e Tonico. Uma linha ofensiva de respeito seo! Abrahm, Nininho e Meneguello eram estrelas do nosso futebol e Moreno e Tonico, não ficavam muito a dever aos três.

Antes de encerrar o capitulo de hoje, desta empolgante série O MARAVILHOSO FUTEBOL DE IRATI, ao qual incluo os outros esportes, cuja prática, também foi maravilhosa em nosso passado, quero fazer uma breve retrospectiva do histórico dos primeiros resultados obtidos no futebol pelo Iraty Sport Club: No primeiro jogo da sua história o Iraty se confrontou com o Imbituvense F.C., da nossa terra mãe Imbituva e venceu por 3 x 0. Em um segundo jogo, em Imbituva, nova vitória do Iraty por 2 x 0. O terceiro jogo foi em Entre Rios, contra a equipe local, com nova vitória do Azulão por 2 x 0. A quarta partida, desta vez disputada contra o Nitheroy em Irati, nova vitória por 5 x 0. O quinto jogo, em São Matheus, também, contra o Nitheroy, deu novamente Irati, 5 x 0. O Irati só veio a perder sua primeira partida, frente ao Malletense, aqui mesmo em Irati, por 4 x 2, mas logo, em um novo jogo, venceu este mesmo adversário por 5 x 2. Depois 5 x 3, sobre o Iguassu, 0 x 8, goleado pelo Operário de Ponta Grossa e 2 x 2, com o Caramuru de Castro. Bah Tchê? Que trajetória teve o nosso Azulão em seus primeiros anos de existência seo! Sete vitórias e duas derrotas e um empate. Muito bom, não é mesmo, professor Orreda? 

Muito bom mesmo, caro Araújo. Um início fantástico em sua trajetória futebolística teve o nosso Azulão. E isso tudo aconteceu há quase cem anos atrás, quando tudo por aqui era pleno sertão, com poucos recursos esportivos, meios de transportes rudimentares, mas, sobrando muita força de vontade, idealismo e sacrifício. Só temos mesmo que cultuar toda essa odisséia esportiva de nossos antepassados. Parabéns a todos eles.

No capítulo da semana que vem, que inicia com a chegada do ano de 1938, surge a figura de um dos maiores atletas, filhos de Irati. Jogou no próprio Iraty, no Flamengo e na seleção brasileira. Os ouvintes sabem de que se trata? Não? Então não percam o próximo programa que estaremos desvendando este importante fato da MARAVILHOSA HISTÓRIA DO NOSSO FUTEBOL. Até lá.

 


Comentários

Enquete

Reforma da Previdência

  • Nenhuma das respostas
  • Não deve mexer nos que ganham menos
  • Não é necessária
  • Deve ser ampla
Resultados