Irati e Região / Notícias

28/02/14 - 11h10 - atualizada em 28/02/14 às 21h07

Campanha busca ajuda para revitalizar cemitério no interior

Moradores do interior buscam solução para adequar área do cemitério São Miguel, onde existem vários túmulos abandonados há anos
Edilson Kernicki, com reportagem de Juarez Oliveira

Anderson Gonçalves e Ailton Laroca procuraram a equipe da Najuá em nome da comunidade

Moradores do interior, Ailton Laroca e Anderson Gonçalves, procuraram a rádio Najuá a fim de lançar uma campanha para sensibilizar familiares de antepassados sepultados no cemitério São Miguel. O local onde o cemitério foi construído pertence ao município de Imbituva e faz divisa com comunidades de Irati. Vários  túmulos se encontram em situação de abandono e deterioração. A ideia da campanha é localizar os responsáveis pelos túmulos antes de tomar qualquer providência, seja de reparos, seja de desapropriação, ou mesmo de transferência dos restos mortais para um ossário.

Laroca espera que, sabendo da campanha, os familiares entrem em contato. Quatro comunidades fazem parte do entorno do cemitério: São Miguel, Pinho de Cima, Bom Jesus e o Divino Espírito Santo.

“As pessoas que entrem em contato conosco porque queremos dar uma mexida nas coisas por lá, fazer uma casa nova. Queremos mexer nos túmulos velhos também, mas não sem ordem das pessoas.”, diz Laroca. 


Gonçalves explica que os túmulos estão em avançado estado de deterioração, bastante quebrados e até mesmo partes de esqueleto humano estão expostas. Muitas sepulturas remontam ao final do século XIX até a década de 1920. “Essas pessoas que estão enterradas lá já não têm mais filhos, netos, bisnetos, tataranetos. Está passando um pouco despercebido e essas pessoas não estão zelando daquele ente querido que está lá”, aponta.

As pessoas podem visualizar as fotos dos túmulos no site da Najuá e identificar parentescos. “Porque tem que ir arrumando. As outras famílias vão arrumando, mas existem túmulos que estão caindo e vão cair em cima de outros; vai danificar aquele que está pronto, de uma pessoa que não tem culpa de nada”, comenta Gonçalves.

Os moradores da região do cemitério não sabem a qual órgão devem recorrer para resolver a situação dos túmulos abandonados.

Em Ponta Grossa, vale citar como exemplo, o Serviço Funerário Municipal gerencia a questão de túmulos em estado de abandono nos cemitérios. Nesses casos, eles são marcados com um X de tinta vermelha e as famílias, dessa forma, ficam notificadas a regularizarem a situação em 90 dias. Caso ninguém apareça, os restos mortais são removidos e os túmulos são redirecionados a pessoas que estão aguardando para adquirir um túmulo, através de protocolo de interesse. A medida visa não só ressaltar a importância da manutenção como amenizar a superlotação dos cemitérios.

Prudentópolis também possui o mesmo tipo de problema com a lotação no cemitério municipal e logo que assumiu, o prefeito Gilvan Agibert afirmou que pretendia realizar uma reestruturação interna, verificando os túmulos abandonados e dando prazo para que as famílias os reparassem.


Prazo

Quanto ao cemitério São Miguel, os moradores pretendem estabelecer que as famílias iniciem os trabalhos de recuperação destes túmulos até o dia 30 de junho. A intenção é que tudo esteja pronto até o dia de Finados, sem deixar para a última hora.

“A gente dá um prazo menor, mas já para começar a trabalhar em função disso. Porque aí teremos que correr atrás dessas pessoas que provavelmente vão entrar em contato com a rádio ou conosco para nos dar uma posição do que devemos fazer a partir do não comparecimento dessas pessoas. O que deve ser feito, como deve ser feito, se deve ser desmanchado, onde devem ser colocados esses restos mortais que têm lá dessas pessoas”, afirma Gonçalves.

Laroca conta que ainda esta semana o cemitério volta a ter um zelador permanentemente. No ano passado ficou sem e um rapaz foi chamado para fazer uma limpeza apenas no feriado de Finados. A comunidade já está se mobilizando para arrecadar verba para a revitalização da área toda e pagamento do salário do zelador.

Para entrar em contato: (42) 9111-1732 ou 9102-8375, com Ailton Laroca.



Comentários

Enquete

Reforma da Previdência

  • Nenhuma das respostas
  • Não deve mexer nos que ganham menos
  • Não é necessária
  • Deve ser ampla
Resultados