Irati e Região / Notícias

16/12/16 - 20h51 - atualizada em 17/12/16 às 10h13

Conclusão de obras paradas é um dos principais desafios da gestão de Derbli

Entraves burocráticos e limitações econômicas impediram a continuidade de obras de responsabilidade do Município e do Estado nos últimos anos

Texto de Edilson Kernícki, com reportagem de Rodrigo Zub, Paulo Henrique Sava e Jussara Harmuch

Vídeo: Juarez Oliveira

PUBLICIDADE
Um grande canteiro de obras a céu aberto, que era uma promessa de desenvolvimento para o município de Irati, se transformou em estagnação e numa das maiores dores de cabeça para o Executivo ao longo dos últimos anos. Entraves burocráticos e limitações econômicas impediram a retomada e conclusão de uma série de importantes obras em Irati, que poderiam ter sido inauguradas há, pelo menos, cinco anos.

O prefeito eleito Jorge Derbli (PSDB) e o futuro secretário de Obras, Dagoberto Waydzik, terão como desafio dar continuidade e concluir esses projetos. Não só eles, como também um trabalho conjunto com as Secretarias de Planejamento, de Finanças, de Administração e a Procuradoria. Ao longo da atual gestão, essas mesmas Secretarias trabalharam para tentar resolver todos os entraves que atrapalharam o avanço da execução dos projetos.

Confira o vídeo completo da entrevista concedida por Derbli no programa Meio Dia em Notícias no fim deste texto

“Independente do prefeito A ou B que começou, a obra é do povo de Irati e eu vou terminar essas obras”, assegura Derbli. Ele e o prefeito Odilon Burgath estiveram em Curitiba, na quarta (14), com os atuais e com os futuros responsáveis pelas pastas de assessoria, engenharia e jurídico do município de Irati, numa reunião na Fomento Paraná, a fim de discutir a continuidade da obra do Ginásio de Esportes José Richa, que fica no Centro Cívico.

Conclusão do ginásio de esportes é a prioridade do prefeito eleito Jorge Derbli
Segundo Derbli, essa é a obra que tem conclusão prioritária. O Ginásio teve, em sua execução, falhas de projeto e problemas burocráticos que paralisaram a obra há quatro anos. Ainda de acordo com ele, o município já investiu aproximadamente R$ 3 milhões na obra e outros R$ 3 milhões teriam sido liberados pelo governo estadual para sua conclusão, motivo da reunião na capital.

“Houve um imbróglio judicial na questão de projeto e de execução, que está sendo discutido. Durante esse período, não chegaram a um denominador comum sobre essa obra”, comenta o futuro prefeito.

Conforme Derbli, na reunião foi dito que se não houver uma resolução para o entrave da obra ainda neste ano, os R$ 3 milhões liberados pelo governo estadual seriam remanejados para a Fomento Paraná e, além disso, a partir de fevereiro de 2017 o município teria que devolver ao Estado os R$ 3 milhões investidos. Outro problema seria a ameaça do bloqueio de repasses do Fundo de Participação do Municípios (FPM) devido ao ICMS.

“Vamos entrar num novo governo, não sabemos da real situação da Prefeitura, porque ainda não fizemos a transição da Secretaria da Fazenda. Se eu tiver que devolver uma conta de R$ 3 milhões, perder outros R$ 3 milhões e, além de tudo, a Prefeitura ficar impedida, que hoje está liberado em Curitiba, pela capacidade de endividamento do município – em torno de R$ 12 milhões – para fazer projetos e, já no primeiro ano, em 2017, ser empregado esse dinheiro aqui em Irati em pavimentação, em compra de equipamento, enfim, no que a Prefeitura achar melhor empregar esse dinheiro, que seriam empréstimos. Então, a Prefeitura estaria impedida de fazer esse empréstimo”, revela a preocupação.

Felizmente, Odilon e Derbli entraram em acordo com a Fomento Paraná para que haja uma ampliação do prazo para resolver as pendências judiciais que envolvem as obras do Ginásio de Esportes. O novo prazo estabelecido é 28 de fevereiro. Até lá, Derbli deve apresentar ao Governo do Estado o novo cronograma da obra.

Vídeo: Juarez Oliveira

                             
                                   

Comentários