Irati e Região / Notícias

12/09/11 - 21h52 - atualizada em 13/09/11 às 13h10

Enem 2010 – Veja como foram as notas das escolas do Centro-Sul

Na região Centro-Sul do Paraná, dentro do Grupo I, o Colégio Imaculada Virgem Maria foi o que obteve maior nota, seguido do Colégio Sesi de Irati; em Rio Azul uma escola ficou na última colocação deste ranking. A escola qure obteve maior nota na região foi o Colégio São Pedro Canísio de Irati, com 619,19, mas obteve 74,4% de participação, ficando no Grupo II. A maior nota do Paraná no GI foi do Colégio Marista Santa Maria, de Curitiba
Jussara H. Bendhack, com Gazeta do Povo

No ano passado 56% dos alunos que estavam concluindo o ensino médio participaram da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a média nacional na prova objetiva foi 511,21 pontos. Este ano o Instituto Nacional de Estudos e Pequisas Educacionais (Inep) decidiu alterar o formato de divulgação do resultado por escola, que agora leva em conta o percentual de estudantes daquela unidade de ensino que participaram do Enem – ranking: Grupo I - 75% e 100% de Taxa de Participação (TP); Grupo II - 50% a 74,9%; Grupo III - 25% ou mais e menos de 50% e Grupo IV - menos de 25% de TP. Os dados divulgados nesta segunda-feira (12) ainda não são finais.

Nove das dez escolas do Paraná que obtiveram as melhores notas no Grupo -ranking - 1  - entre 75% e 100% de comparecimento - do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2010 são particulares.

A maior nota do Paraná foi do Colégio Marista Santa Maria, de Curitiba. A escola é da rede privada de ensino e teve como média total a nota 691,85, ocupando a posição de número noventa no Brasil. Participaram 133 alunos - 98,5% da TP. O caâmpus Curitiba da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), com nota de 717,77, figura como a maior nota do Paraná, mas obteve participação de 48,6% dos alunos no exame, portanto se enquadrando no Grupo III.

O Paraná alcançou a 8ª melhor média, ficando abaixo de Rio Grande do Sul, 4ª posição no ranking nacional e Santa Catarina 6ª posição.

A segunda colocação no estado (do ranking 1) foi do Colégio Bom Jesus, de Curitiba, que também é particular. A média total foi de 672,97. Outros dois colégios da rede privada ficaram na terceira e na quarta colocação do estado. O Colégio Diocesano João Paulo I, da cidade de Porecatu, na região Norte do estado, atingiu média geral de 670,77. Na sequencia apareceu o Colégio Nossa Senhora de Medianeira, de Curitiba, com 670,02. O Colégio Militar de Curitiba ficou na quinta colocação no Paraná e foi a instituição pública com a nota mais alta do estado. A média total foi de 667,36.

Da sexta a décima posições no ranking estadual apareceram outras cinco escolas da rede privada de ensino. Três são de Curitiba e duas do interior do estado. São elas: Colégio Bom Jesus São José, da cidade de Rio Negro (667,32); Colégio Positivo, de Curitiba (665,81); Colégio Marista Paranaense, de Curitiba (662,2): Colégio Bom Jesus Nossa Senhora de Lourdes, de Curitiba (661,36); e Colégio São Tomaz de Aquino, do município de Wenceslau Braz (658,76).


As dez escolas do Paraná - Grupo 1– que obtiveram as notas mais baixas no Enem 2010 são da rede pública de ensino.

Confira as notas totais das escolas da Região Centro-Sul

|O parâmetro para avaliação da nota é 500

Na região Centro-Sul do Paraná, dentro do Grupo I, o Colégio Imaculada Virgem Maria foi o que obteve maior nota, seguido do Colégio Sesi  de Irati; em Rio Azul uma escola ficou na última colocação deste ranking. A escola qure obteve maior nota na região foi o Colégio São Pedro Canísio de Irati, com 619,19, mas obteve 74,4% de participação, classificando-se no Grupo II.

Grupo I – escolas que tiveram participação dos alunos entre 75% e 100% de TP

Prudentópolis – Duas escolas privadas, Imaculada Virgem Maria (24 e 23 alunos respectivamente, 80% de TP), com nota total de 602,86 (maior nota da região do GI) e São José (15 alunos, 88,2% de TP) com 569,31.

Irati – Apenas o Colégio Sesi se inclui neste ranking com 78,9% de participações (15 alunos) e a média total foi de 595,55 (2ª maior nota da região)

Rio Azul - A nota mais baixa do Paraná foi Colégio Estadual Nossa Senhora Aparecida (escola pública), com média total de 483,65,  86,7% de participação (13 alunos na prova objetiva e 12 na redação).


Grupo II - escolas que tiveram de 50% a 74,9% de TP de seus alunos
 
Irati – Somente o Colégio São Pedro Canísio (escola privada) entrou nesta classificação com 74,4% de participação (32 alunos), alcançou 619,19 - escola que obteve a maior nota da região - e Colégio Florestal (pública) com 70% de TP (36 e 34 alunos) obteve nota de 559,72.

Teixeira Soares – Escola Guaraúna (pública), obteve nota de 551,25, com 56,5% de participação (13 e 12 alunos).

Rio Azul – Escola Afonso A de Camargo (pública), nota de 531,84 com 50,4% de participação (63 e 61 alunos).

Uma instituição da rede pública alcançou a nota mais alta do Paraná no ranking 2 A Universidade Tecnológica Federal – campus Pato Branco – obteve a nota 677,41.

A escola do Paraná com a menor nota no ranking 2 foi o Núcleo Santa Lúcia, de Coronel Vivida. A instituição é da rede pública e teve a nota 462,42.


Grupo III - com 25% ou mais e menos de 50% de TP

Imbituva – aparece com três escolas: Colégio Rui Barbosa (privada – 17 alunos, 41,5% TP) com nota de 595,41; Jeocondo Waldemar Bobato (pública – 17 alunos, 34,7% de TP) com 532,39 e Santo Antônio (pública – 68 e 67 alunos, 34,7%), com 526,42.

Teixeira Soares –João Negrão (pública – 19 alunos) com nota de 585,52.

Irati –Antônio Xavier da Silveira (108 e 107 alunos,  47% de TP) com nota de 556,76; Rio do Couro (15 alunos, 40% de TP) com nota de 554,91; São Vicente de Paulo (46 e 43 alunos, 29% de TP) com 549 e Trajano Grácia (6 alunos, 33% de TP) não obteve nota. Todas escolas públicas.

Inácio Martins – Parigot de Souza (pública – 26 e 24 alunos com 47% de TP), com 555,39.

Rebouças – Professor Júlio César (pública – 45 e 43 alunos, 30,06% de TP) com nota de 552,88 e Faxinal dos Marmeleiros (pública – 16 alunos, 40% de TP) com 548,74

Prudentópolis –  Escola novo Futuro (privada – 11 alunos 47,8% de TP) com nota de 550,85; Papanduva de Cima (pública – 14 alunos, 27,2% de TP) com 528,45;Colégio barão de Capanema (pública – 137 e 133 alunos, 37% de TP) com 526,81; e João Orestes Preima (pública – 25 e 20 alunos, 45,5% de TP) com 481,86.


Grupo IV – com menos de 25% de TP

Irati – João de Matos Pessoa (11 e 9 alunos, 15% de TP); João XX III (7 alunos, 9% de TP); Duque de Caxias (2 alunos), 5%) e Nossa Senhora de Fátima (5 alunos, 10% de TP) e Cebeja (3 alunos, 2% de TP) não obtiveram nota. Todas escolas públicas.

As outras escolas da região Centro-Sul não aparecem na relação de hoje (12). Confira a relação completa de todas as escolas e como é calculado o porcentual da TP e também como é composta a nota total de cada escola, no site do INEP.


Avaliação

Os estudantes concluintes do ensino médio regular tiveram um desempenho ligeiramente melhor no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010 em comparação ao exame de 2009. A adoção da Teoria de Resposta ao Item (TRI), ferramenta que calibra a dificuldade de avaliações distintas, permitiu pela primeira vez a comparação dos dois últimos Enems.
 
De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Educação (MEC) a melhora no desempenho no Enem foi de 9,63 pontos - de 501,58 para 511,21 na prova objetiva, quando comparada a edição de 2010 com a de 2009. O ministro da Educação, Fernando Haddad, espera que essa média chegue a 600 pontos em 2028 - projeção feita a partir de outras metas, como as estabelecidas pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). A média perseguida para 2028, porém, é bem abaixo dos 749,7 pontos obtidos pela escola melhor colocada no exame de 2009, uma instituição privada de São Paulo.

As duas últimas edições do Enem foram marcadas por uma série de problemas, como o vazamento da prova, em 2009, revelado pelo Estado, e a troca de cabeçalho resposta e falhas de encadernação em 2010.
Responsáveis por 88% das matrículas do ensino médio do país, as escolas públicas são maioria entre as que ficaram com nota abaixo da média nacional no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010. Entre os estabelecimentos de ensino que tiveram desempenho inferior à média nacional na prova objetiva (511,21 pontos), 96% são públicos. Esse dado descarta os colégios que tiveram participação inferior a 2% ou com menos de 10 alunos inscritos e, por esse motivo, não recebem uma nota final.


Investimentos

Segundo o superintendente de Educação da Secretaria da Educação do Paraná (Seed), Merouly Cavet, uma equipe da Seed estuda estes dados profundamente para analisar as razões da queda no desempenho de algumas escolas e a melhoria em outras. As notas serão usadas como critério de investimento da mesma forma como é feito com a Prova Brasil e Ideb.

Comparativo

De acordo com os últimos dados, o Paraná gasta por mês R$ 1.581,0 para manter cada preso;  R$ 643,00 para manter um aluno do Ensino Médio e R$ 117,00 no Ensino Fundamental. Situação bem diferente acontece nas escolas particulares, uma mensalidade escolar do Ensino Fundamental gira em torno de R$ 650,0.

Como o Brasil investe em educação


Comentários