Irati e Região / Notícias

13/11/19 - 19h45 - atualizada em 13/11/19 às 20h05

Ex-policial rodoviário assume Secretaria de Segurança Pública de Irati

Cláudio Adão substitui o ex-secretário Luiz Carlos Ramos, que passou a comandar a pasta de Comunicação Social

Da Redação, com reportagem de Rodrigo Zub e Paulo Henrique Sava 

Cláudio Adão foi Inspetor da PRF

O ex-policial rodoviário federal Cláudio Adão recentemente assumiu o comando da Secretaria Municipal de Segurança Pública e Cidadania de Irati, em substituição ao ex-secretário Luiz Carlos Ramos (Bola), que passou a chefiar a pasta de Comunicação Social. Os decretos de nomeação de ambos nos seus respectivos cargos foram publicados na edição desta quarta-feira, 13, do Diário Oficial do Município.

Adão comentou os desafios da nova responsabilidade e como sua experiência prévia na PRF pode contribuir para a eficácia da Secretaria durante entrevista na terça-feira, 12, no programa “Meio Dia em Notícias” da Super Najuá.

Ouça o áudio completo da entrevista no fim do texto

“Onde tem profissionais que desempenham sua atividade com afinco, conseguimos fazer um excelente trabalho. Sabemos que temos deficiências, mas nós que trabalhamos no dia a dia temos que saber como aperfeiçoar e melhorar. Não adianta assumirmos um cargo ou função e ficarmos apresentando apenas problemas, temos que apresentar soluções a eles”, disse.

Uma das prioridades da Secretaria é a Patrulha Maria da Penha, que presta suporte a mulheres vítimas de violência doméstica. “Juntamente com o Judiciário e com a Assistência Social, vamos estreitar essa conversa para que, quando entrarmos em definitivo com esse trabalho, possamos realizá-lo em excelência”, comentou.

CLIQUE AQUI E RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS PELO WHATSAPP

PUBLICIDADE

“Vamos trabalhar de mãos dadas com o CREAS [Centro de Referência Especializado em Assistência Social] para que possamos levar essa segurança maior a essas pessoas, pois vemos que, a cada dia, aumenta cada vez mais a violência contra a mulher. Sabemos que a Patrulha Maria da Penha se fazia necessária. Já foi lançada, temos material humano, vão entrar as escalas da Guarda Municipal, temos também já um local apropriado para isso, que foi reformado. Tudo isso já é um avanço bastante grande”, acrescentou.

As denúncias de violência doméstica encaminhadas para a Patrulha Maria da Penha passarão por uma triagem da assistência social e, num primeiro momento, a Guarda Municipal vai atender aos casos e, se necessário, solicitar o apoio da Polícia Militar. O “botão do pânico” deve ser integrado a esse programa. Vale observar que ele se aplica às mulheres que obtiveram, judicialmente, a medida protetiva contra agressores.

Quanto à Guarda Municipal (GM), o novo secretário considera que o trabalho vem sendo executado de forma satisfatória. Adão afirmou que pretende executar pequenas alterações a fim de que a GM oferece uma resposta mais efetiva à população, mas garante que não vai alterar o comando, que permanece sob responsabilidade de Averaldo Lejambre, com o apoio do subcomandante Leandro Pereira dos Santos. “Tenho uma confiança muito grande em ambos e sei do profissionalismo”, elogiou.

“Em relação à Iratran [Departamento de Trânsito de Irati], ainda estou fazendo uma análise, porque o objetivo principal, que me foi solicitado pelo prefeito municipal Jorge Derbli, é revisarmos isso. A rotatividade que era para haver no trânsito de Irati não está ocorrendo”, disse.

Outra prioridade da pasta é reforçar o apelo ao Governo do Estado a respeito da construção de uma nova Delegacia para Irati. A demanda existe há tempo e vem sendo prometida pelos governadores que se sucedem. “Nossa Delegacia está hoje superlotada. Conversando com o Doutor Paulo [Eugênio Ribeiro, delegado], sabemos das dificuldades que vêm ocorrendo, porque o número de detentos é grande e a Delegacia é pequena. É um barril de pólvora que está prestes a explodir”, analisou. Para Adão, a presença da Delegacia com carceragem superlotada no centro de uma cidade, que oferece risco de fugas em massa, é inadmissível.

O ex-inspetor da PRF iniciou a carreira na Polícia Militar do Paraná em 1987 e permaneceu no quadro da corporação até 1994. Nos últimos 25 anos, atuou na Polícia Rodoviária Federal (PRF), cargo que deixou agora no início de novembro. “Chegou a hora de fazer uma escolha, não só pelo convite feito pelo prefeito Jorge Derbli, mas também porque está na hora de dar uma descansada, uma parada. Mas surgiu o convite e saí de uma instituição [a PRF] e, na sequência, entrei em outra [a Prefeitura]. A PRF me proporcionou grandes experiências. Conheci grande parte do Brasil graças a ela. Fiz grandes trabalhos, deixei grandes amigos e, com certeza, se um dia eu tivesse que retornar, retornaria com grande prazer, porque é satisfatório trabalhar salvando vidas e prevenindo acidentes”, frisou.

Confira a entrevista completa

Comentários