Irati e Região / Notícias

01/11/11 - 19h05 - atualizada em 02/11/11 às 11h51

Finados e Natal são os dois feriados que mais atraem visitantes em Irati

A afirmação é do procurador do município que, com a proximidade do feriado de Finados, está atento à necessidade de criar uma legislação específica para regularizar as situações de ocupação irregular dos espaços nos cemitérios municipais

Reportagem de Marli Traple e Paulo Secco - Texto de Jussara Harmuch Bendhack


Cemitério Central de Irati - Finados 2010
Existem em Irati dois cemitérios municipais: O Cemitério da Vila São João, que consta com 450 registros de sepultados, no entanto, como o cadastro só se tornou efetivo a partir de 2008, o número informado pode ser ser impreciso. Há poucos espaços disponíveis neste cemitério e o valor dos lotes eram comercializados tempos atrás a R$ 50. O Cemitério Central, mais antigo, atualmente tem o registro de 12.899 falecidos e a capacidade de comercialização de novos espaços está esgotada.

Ainda há outros dois espaços, um deles, particular, localizado no bairro Rio Bonito, o cemitério Jardim das Paineiras. O proprietário, Sr. Casemiro Podgurski informou à Najuá que é cobrado R$ 2,5 mil pelo espaço de terra – os corpos são enterrados diretamente na terra e não é permitida a construção de capelas (cemitério horizontal). No local existe uma capela disponível para velar o corpo antes do sepultamento e nenhum valor adicional é cobrado. Outro espaço é o Cemitério do Riozinho que é administrado pela comunidade local e nada é cobrado pela ocupação. 


Cemitério Jardim das Palmeiras - Finados 2010
Cemitério da Vila São João - Finados 2010






O esgotamento dos espaços dos cemitérios é uma problemática crescente que vem sendo enfrentada atualmente com o aumento da população. Porém, o assunto é delicado porque o fato de mover o ente sepultado envolve sentimentos e nem sempre é fácil de acertar situações como a questão dos sepulcros que são abandonados pelos seus proprietários e também a invasão de espaços com a ocupação irregular.

Segundo o procurador do município, Silmar Ferreira Ditrich, Finados e Natal são os feriados que mais atraem visitantes de fora
De acordo com o procurador do município, Silmar Ferreira Ditrich, Irati caminha para ter uma legislação específica que possa regularizar as situações descritas e também padronize a exigência de documentação. “A prefeitura vai levantar com precisão quais são as sepulturas abandonadas para poder dar um melhor aproveitamento de todo o local disponível hoje”, disse o procurador quando participou ao vivo do programa Meio Dia em Notícias da Rádio Najuá.


Capela Mortuária

Recentemente, o vereador Hélio de Melo (PMDB) perguntou o que teria sido feito com o dinheiro obtido com a venda do espaço que antes funcionava o Albergue Municipal. Anteriormente, o legislativo aprovou projeto de lei transformando o local em lotes para comercialização de sepulcros objetivando a viabilização de recursos para realizar melhorias da Capela Mortuária Municipal. O assunto veio à tona na sessão do da Câmara depois que outro vereador falou das precárias condições da construção atual.

Portal do Cemitério Central depois de ter sido reformado em 2005
O procurador explica que o dinheiro da venda dos lotes foi utilizado no embelezamento do cemitério que ocorreu em 2005. Foi aumentado o muro e colocado nova iluminação além de pintura e outras benfeitorias. “Irati tem duas datas mais visitadas por pessoas de fora: Finados e Natal. E a prefeitura se preocupou com isso, no cuidado com o familiar do falecido. O novo muro, mais alto, evitou a ocorrência de casos de vandalismo que eram frequentes”. A reforma da atual capela está no projeto da atual administração e ainda será feita, confirma Ditrich. "Já existe um projeto para fazer uma melhoria com entrada que não seja a mesma entrada da atual capela, mas uma entrada paralela".


Ampliação

Ditrich informa que não há previsão de construção de um novo cemitério a curto prazo e que isso ficará para as próximas administrações, mas ele conta que estão sendo efetuadas algumas negociações para permutar uma área particular próxima ao terreno principal que seria anexada na parte posterior, ampliando o espaço existente. “As negociações estão avançadas, estamos buscando soluções para ampliar o local na parte de trás do cemitério que faz frente para a Rua Dr. Correia, único lugar onde é possível expandir. Estamos esperando regularizar um terreno da prefeitura para permuta e mais tarde poderemos deslocar o albergue [que hoje ocupa um prédio alugado na mesma quadra] para outro local, criando a possibilidade de adquirir mais este terreno para sepulturas".



Colaboração: Kelli Vanessa Laroca

Comentários