Irati e Região / Notícias

16/02/12 - 21h50 - atualizada em 16/02/12 às 22h17

Irati não possui registro de animais

Estudantes do Câmpus Irati da Unicentro devem fazer a coleta de dados (espécie de Censo) para contagem dos animais neste ano. Conversas já foram iniciadas entre Unicentro e a ONG SOS Amigo Bicho
Jussara Harmuch Bendhack


Dando prosseguimento à reportagem especial sobre o trabalho desenvolvido pela Organização Não Governamental (ONG) SOS Amigo Bicho vamos falar sobre o registro de animais em Irati. Conforme verificado por nossa reportagem ainda não existem dados precisos em relação ao assunto. Por isso, no final do ano passado foi dado início a conversas com a Universidade Estadual do Centro Oeste (Unicentro) para que os estudantes do Câmpus de Irati fizessem a coleta de dados (espécie de Censo) para contagem dos animais. Porém, o período de recesso de fim de ano e a demora em conseguir a documentação da prefeitura com a permissão do estudo, impediu que o trabalho fosse feito dentro do prazo estipulado. “Tivemos que interromper no final do ano, mas pretendemos retornar as conversas agora para termos o censo em 2012”, disse a presidente da ONG SOS Amigo Bicho, Eleuza Fornazari.

Outro problema enfrentado pelas colaboradoras é que nenhum município atendido pela 4ª Regional de Saúde possui instalações públicas para servir de albergue e tratamento de cães e gatos ou de qualquer outro tipo de animal. O chefe da Vigilância Sanitária Regional, Valter Trevisan, explicou à equipe da Najuá que a inexistência de legislação que obrigue criar estes locais deixa a solução do problema a critério de cada município. “É um problema de Saúde Pública, não tem dúvidas. A criação de um Centro de Zoonoses, além de resolver a questão de caninos e felinos daria vazão a todo o tipo de necessidade de outras espécies como a criação de bovinos e até mesmo o controle de doenças causadas por vetores, como a Dengue. Há apenas um incentivo federal para os municípios acima de 100 mil habitantes. Uma solução mais barata para municípios pequenos seria a criação de um local comum a vários municípios em conjunto”, disse Trevisan.


Castração

Segundo Fornazari, o procedimento da castração é a melhor solução para resolver todos os problemas gerados pelos animais indesejáveis, pois evita que a população canina aumente e com isso diminui o abandono, principal causa de outros problemas como a transmissão de doenças e ataques a outros animais e seres humanos.
 
Em 2011 foi estabelecido um convênio de dois anos com a UNIGUAÇU - Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu, em União da Vitória, onde existe o curso de Veterinária e para onde a ONG encaminha cães para fazer a castração.  No início o convênio estipulou seis procedimentos por semana, mas para este ano, a escola está solicitando que sejam enviados de dez a 15 animais.
 
Este aumento foi proporcionado pelo fato de que havia outras entidades que também participavam, porém, como não havia constância no encaminhamento, as vagas passaram a ser ofertadas a SOS Amigo Bicho que, apesar de todas as dificuldades manteve-se firme. Exatamente no horário marcado (15 h) seis cães de diferentes portes são entregues na Uniguaçu. A ação só é interrompida no período de férias dos estudantes do curso de veterinária. O transporte é feito com um carro particular de uma das colaboradoras. Os animais permanecem no hospital escola por uma semana e são devolvidos quando a ONG chega com o grupo de animais da próxima semana – leva e trás.
 
De lá para cá já foram castrados cerca de 250 animais. Mas não é apenas o gasto com o transporte, a escola também cobra uma taxa. “São R$ 36 por procedimento e quando o animal está doente pode chegar a R$ 100.
 
Este valor é barato, considerando que se o animal for atendido em uma clínica particular vai custar de R$ 80 a R$ 100 para castrar o macho e R$ 400 a fêmea. Na cadela é mais difícil, por isso damos preferência para encaminhar as fêmeas pelo convênio. Nós fazemos uma programação para recolher os cães nos bairros da cidade”, explica.
 
Existe também uma conscientização por parte das associações de moradores que prestam auxílio à ONG, identificando os locais onde os animais perambulam e também encontrando domicílios para que eles permaneçam durante o período de convalescença, após a cirurgia de castração. “Já houve casos que soltamos os animais de volta na rua e os pontos abriram, infeccionou, gastamos mais ainda com ele. Como não há outro lugar para deixá-los, contamos com a boa vontade da população”, complementa.
 
O aumento de vagas para Irati foi comemorado pelas seis mulheres que compõe a ONG, porém, de primeira mão trouxe um novo problema.
 
O carro da colaboradora que faz o transporte não tem capacidade para aumentar o número de animais que precisam viajar engaiolados de acordo com as leis de trânsito.
 

Listagem das emendas individuais do deputado Marcelo Rangel destinadas a doação de veículo Kombi
De tanto pedir, uma voz foi ouvida. O deputado estadual Marcelo Rangel (PPS) se solidarizou com a situação e está doando uma Kombi para que seja feito este transporte.
 
Em contato com o deputado, ele confirmou à Rádio Najuá que no final do ano passado indicou na forma de emenda parlamentar individual, um veículo Kombi, novo, no valor de R$ 42.636, para a Associação SOS Amigo Bicho de Irati.
 
O pagamento das emendas parlamentares poderá ocorrer em 60 dias, estima o deputado.
 

*Edição Rodrigo Zub

Comentários

Enquete

Você acha que existe um grande número de pessoas que recebem aposentadoria sem ter contribuído o suficiente?

  • Não
  • Sim
Resultados