Irati e Região / Notícias

27/10/11 - 04h16 - atualizada em 31/10/11 às 14h24

Medo - Em geral, mulheres evitam mamografia por receio de diagnosticar o câncer

Enfermeira credita aumento de agendamentos de mamografias pela secretaria municipal de Irati ao Movimento Outubro Rosa e revela que o medo é o maior inimigo da prevenção ao câncer de mama
Reportagem de Marli Traple - Texto de Jussara Harmuch Bendhack


A enfermeira Eva Portela pede que as mulheres não deixem de comparecer no agendamento do exame
A enfermeira Eva Portela percebeu os efeitos do Movimento Outubro Rosa nas Unidades de Saúde de Irati. O Movimento veio para lembrar às mulheres que as ações de controle do câncer de mama visam a detecção precoce e o tratamento. “Antes sobravam mamografias. A campanha ajuda muito porque quebra mitos. Prova disso é que as mulheres na faixa etária entre 50 a 69, que é o público alvo, foram as que mais apareceram”, atesta a enfermeira.

O exame de mamografia é usado para auxiliar o diagnóstico de câncer de mama. Para as mulheres acima de 40 anos, desde 2002 não há necessidade de passar por uma consulta médica e a enfermeira pode fazer a solicitação. Em Irati, são ofertadas 194 vagas por mês para realização deste exame pelo SUS. O número de agendamentos aumentou depois que o Movimento teve início, mas o medo de fazer o diagnóstico de câncer é ainda um grande empecilho para a prevenção, explica a enfermeira que responde pelo setor de Atendimento a Mulher da secretaria municipal de Saúde.


Mamografia


A mamografia, senografia ou mastografia é a radiografia simples das mamas e é considerada por muitos o procedimento mais importante para o rastreamento do câncer de mama que, comprovadamente, diminui a mortalidade pela doença em 30%.

Em mulheres acima de 40 anos sem fator de risco, o exame de mamografia deve ser feito anualmente ou a critério médico.

No caso das mulheres de menor idade, o encaminhamento é feito ao ginecologista e uma ecografia pode ser solicitada, dependendo do caso.

A mamografia é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde – SUS. Não é obrigatório fazer o exame, mas os técnicos de saúde procuram conscientizar as mulheres a fazer regularmente para permitir o diagnóstico do câncer em estágio inicial.

Mas é preciso também que as mulheres valorizem o serviço. Hoje acontece de muitas vagas ficarem ociosas devido à falta de comparecimento da mulher para fazer o exame. “As mamografias sobram porque as mulheres marcam e não comparecem. Em outubro já faltaram até agora 18 mulheres. É um desperdício e um atraso nos atendimentos porque a [mulher] que não compareceu deixa de ser atendida e a que poderia ter feito no seu lugar também”, conta.

A vaga para fazer o exame é garantida. Hoje a secretaria tem convênio com dois locais que disponibilizam o aparelho para mamografia, a Santa Casa e a Clínica Anjo da Guarda.

Aparelho de mamografia
Antes, quando a secretaria não tinha o serviço completamente estruturado, acontecia de as mulheres serem encaminhadas para o exame tardiamente, em estados avançados da doença o que levava a uma taxa mais alta de mortalidade. Hoje em dia, as mulheres cujo exame detecta algum tipo de anormalidade estão no início da doença, quando o tratamento apresenta melhores resultados. “Quanto antes for diagnosticado o câncer de mama, maior será a chance de cura. Hoje o SUS já dispõe de próteses mamárias. Isso é um avanço porque estimula a vontade da mulher de se cuidar”, diz Eva Portela.

Saúde das Mamas - Movimento Outubro Rosa
O SUS também garante o tratamento do câncer e a prefeitura disponibiliza transporte destas pacientes para Curitiba onde a mulher é atendida. Os exames complementares precisam ser repetidos a cada 6 meses e podem ser pedidos em Irati, se a paciente preferir. Tudo gratuitamente.

“As mulheres são privilegiadas neste sentido. O câncer de mama e de colo de útero pode ser prevenido e toda a estrutura esta à disposição. O Outubro Rosa foi bom porque ajuda a lembrar sobre tudo isso”, finaliza.


Saiba mais sobre o Movimento Outubro Rosa

Comentários