Irati e Região / Notícias

28/02/19 - 10h21 - atualizada em 28/02/19 às 13h48

Moradores cobram melhorias na rua Ladislau Delong

Viviane Oleinik, uma das moradoras do bairro Canisianas, falou sobre a situação da via em entrevista à Rádio Najuá

Edilson Kernicki, com reportagem de Rodrigo Zub. Fotos Viviane Oleinik

Moradores da Rua Ladislau Delong, no bairro Canisianas, cobram melhorias nas condições de tráfego na via. A reivindicação, segundo Viviane Oleinik, uma das moradoras, se arrasta pelos últimos cinco anos, com uma série de protocolos registrados em setores diversos da Prefeitura, especialmente o Pátio de Máquinas, sem que tivesse surtido efeito.

A sugestão do vereador Rogério Kuhn (PV), na semana passada, de que o expediente das sessões do legislativo – isto é, os convites, requerimentos, ofícios e outros documentos que são remetidos à Câmara e lidos nas reuniões – passasse por uma “triagem”, serviu de estopim para que o grupo de moradores lotasse o Plenário da Câmara na terça (26). Eles acompanharam a leitura do ofício encaminhado aos vereadores, solicitando que estes se empenhassem em cobrar do Executivo uma solução para os problemas da rua.

Até agora, não houve retorno de um abaixo-assinado encaminhado pelos moradores à Prefeitura, protocolado no ano passado. Em entrevista a nossa reportagem, Viviane alegou que o primeiro pedido foi apresentado em 2014, ainda durante a gestão anterior.

OUÇA A ENTREVISTA COMPLETA DE VIVIANE NO FIM DO TEXTO

PUBLICIDADE

“Estamos reivindicando há muitos anos as melhorias na nossa rua. Temos vários protocolos, inclusive, um desde 2014. Sempre fazíamos os protocolos junto ao Pátio de Máquinas. Eles até atendiam, foram fazendo os tapa-buracos. Mas nunca foi o suficiente, pois são coisas provisórias. A longo prazo, vai precisando de novas melhorias, pois abrem-se novamente os buracos e, desta vez, resolvemos fazer um protocolo na Prefeitura Municipal e aos cuidados da Câmara Municipal, que é o local próprio para apresentar as reclamações dos moradores de Irati”, observa.

Viviane rechaça a postura do vereador Rogério, que esteve ausente da sessão nesta semana, pois realizava tratamento médico em Curitiba até a noite desta quarta-feira (27), por sugerir que as requisições dos moradores sejam “filtradas”, por entender que a reivindicação não seria importante, uma vez que, segundo ele, as condições da rua não eram tão críticas.

Os moradores pedem que a pavimentação poliédrica – em pedras irregulares, ou calçamento – seja substituída por asfalto. “Foram feitos vários recapes e a rua não consegue ficar transitável”, complementa. A rua apresenta vários desníveis e não possui meio-fio em toda a sua extensão.

PUBLICIDADE

De acordo com Viviane, as reivindicações foram bem acolhidas pelos vereadores na sessão de terça (26). “Eles nos deram apoio e entenderam nosso propósito. Alguns deles salientaram que já passaram pela rua e já tinham visto sua deficiência. O vereador Marcelo [Rodrigues, do PP] esteve na nossa rua e relatou a precariedade da nossa rua. Ontem [terça, 26], recebemos um apoio grande deles. Agora, estamos confiantes de que finalmente fomos ouvidos”, diz.

Em setembro do ano passado, Viviane protocolou na Prefeitura um abaixo-assinado feito junto aos moradores da Rua Ladislau Delong para que a via seja asfaltada. No dia seguinte ao registro do protocolo, o prefeito Jorge Derbli (PSDB) teria ligado para a moradora e explicado que, por ser final de ano, as coisas se tornavam mais lentas, mas que a partir de janeiro poderia ser dado andamento.

“Como não tivemos retorno, agora no final de fevereiro fizemos novamente um protocolo, desta vez na Câmara e também em atenção ao prefeito, pedindo informações de como estaria o andamento da situação”, reforça.

O abaixo-assinado recolheu 33 assinaturas de moradores, da rua estreita, de três quadras de extensão. Viviane relata que mora há 44 anos no local e viu poucas melhorias serem executadas. “É um bairro central que não recebe melhorias. Ali tem uma oficina mecânica, há três anos, cujo dono relata que planeja mudar de endereço, pois muitos clientes estão reclamando da rua, que está em péssimo estado, intransitável, em frente à oficina. Não é o que queremos. Queremos que haja incentivo comercial na nossa rua, mas, para isso, precisa de infraestrutura para melhor atender”, argumenta.

Viviane Oleinik concedeu entrevista a nossa reportagem falando sobre a situação da rua Ladislau Delong. Na imagem, ela aparece ao lado do marido José Miguel Turczyn

Quanto ao encaminhamento de pedido para que o Ministério Público (MP/PR) investigue a conduta do vereador Rogério Kuhn (PV), depois que ele sugeriu que os requerimentos sejam filtrados, Viviane entende que o parlamentar estaria tentando privar o direito de o cidadão em se manifestar. Por outro lado, a sugestão feita pelo vereador, na semana passada, a seus pares, é que eles procurem verificar in loco a solicitação dos moradores antes de encaminhar requerimentos para o expediente.

“Ele comentou, sobre nossa rua, que não achava necessária a melhoria, pois a rua estaria boa. Outro comentário que ele fez foi que se fizesse uma triagem dos pedidos encaminhados à Câmara, para que não fosse qualquer pedido a chegar à pauta da Câmara Municipal. Como cidadã, me senti lesada. Por esse motivo, achamos melhor comunicar ao Promotor do município de Irati essa conduta do vereador, pelo fato de ele querer restringir os pedidos da população, sendo que uma das atribuições do vereador é essa mesma”, afirma.

O protocolo no Ministério Público foi feito na sexta-feira (22). Cópias do ofício foram encaminhadas ao prefeito municipal e à Câmara, onde foi lido no expediente da sessão ordinária desta semana. Ao promotor foi relatado o ocorrido na sessão anterior e foram anexadas fotos mostrando a situação da rua e o vídeo de registro da sessão.

Viviane acredita que moradores de outros bairros devem tomar a iniciativa de cobrar seus direitos, através de protocolos na Prefeitura, e os estimula a fazê-lo. “Façam os abaixo-assinados e protocolos, não tenham medo nem vergonha de lutar pelos seus direitos. Às vezes, algum comentário, como o da sessão do dia 19, para mim, foi uma surpresa, pois esperava que o vereador fosse lutar pelos nossos direitos e nos defender. Que eles não tenham medo desse tipo de comportamento”, diz.

PUBLICIDADE

Outro lado

A reportagem da Najuá procurou o vereador Rogério Kuhn (PV) para responder à manifestação de Viviane. No momento que a entrevista da moradora estava sendo veiculada no programa "Meio Dia em Notícias, o parlamentar encaminhou uma mensagem para o setor de jornalismo informando que naquela ocasião estava em Curitiba para realizar um tratamento médico, e que iria se inteirar a respeito da sessão desta terça (26) antes de se posicionar.

Ouça o áudio completo com a moradora Viviane Oleinik

Comentários

Enquete

Você acha que existe um grande número de pessoas que recebem aposentadoria sem ter contribuído o suficiente?

  • Não
  • Sim
Resultados