Irati e Região / Notícias

01/09/19 - 11h14 - atualizada em 01/09/19 às 11h28

Sandro Alex fala sobre andamento das obras de pavimentação na PR-364

Pedido de recuperação judicial apresentado pela empresa responsável pela obra não deve ser impedimento à sua execução, conforme secretário de Infraestrutura e Logística

Edilson Kernicki, com reportagem de Paulo Henrique Sava e Rodrigo Zub. Fotos: DER

Em entrevista à Najuá, o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex de Oliveira, comentou o andamento das obras de pavimentação dos 47,7 quilômetros da PR-364 que ligam os municípios de Irati e São Mateus do Sul. De acordo com Sandro Alex, a Construtora Triunfo, executora da obra, já abriu uma frente de dez quilômetros – pouco mais de 20% do trecho – e, na quarta (28), começou a britar a área. 

Ouça o áudio da entrevista com Sandro Alex no fim do texto

“O cronograma está mantido. Claro que sempre há adversidades em obras grandiosas como esta, mas estamos tocando. É uma obra que temos acompanhado e, da nossa parte, da Secretaria, em termos de pagamento e cronograma, essa é uma que está em dia”, assegurou. 

Cinco equipes atuam na obra. Havia a perspectiva de que se iniciasse uma nova frente, por mais nove ou dez quilômetros. “Mas elas estão concentradas nesses primeiros dez quilômetros, porque logo ocorrem as chuvas, que podem dificultar o acesso para quem está precisando usar a estrada, então, eles precisavam iniciar essa britagem. Temos um cronograma de pagamentos a fazer para a empresa e acredito que vamos entregar a obra dentro do prazo previsto”, enfatizou Sandro Alex. 

CLIQUE AQUI E RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS PELO WHATSAPP

PUBLICIDADE

O andamento da obra tem sido monitorado pela Secretaria de Infraestrutura e Logística (SEIL) através da análise de imagens que a construtora responsável pela execução encaminha com regularidade, até mesmo da manutenção de trechos críticos afetados ora pela chuva, ora pela estiagem. “É claro que, quando se constrói uma obra deste tamanho, sempre acaba havendo prejuízo maior a quem mora ou trafega enquanto se constrói uma nova estrada. Estamos tentando dar o menor impacto possível. Eles [a Construtora Triunfo] me mandaram imagens [garantindo] que eles estão dando essa trafegabilidade possível. Vamos continuar cobrando”, disse. 

Quanto ao fato de a Construtora Triunfo ter sido investigada pela Lava Jato e de abrir recuperação judicial, Sandro afirmou que cabe a ele seguir a lei e as determinações dos órgãos de fiscalização e controle, especialmente no que tange o Programa de Integridade e Compliance do Governo do Estado, criado pelo governador Ratinho Júnior em maio. A lei estabelece diretrizes e ferramentas de combate à corrupção, de transparência e de controle interno. 

O pedido de recuperação judicial feito pelo holding de construções Triunfo – que também inclui as companhias Inpear e TIISA, segundo a Revista Exame, como reflexo da própria operação da Polícia Federal, que teria encolhido o Produto Interno Bruto (PIB) da construção em 28% no Brasil entre 2014 e 2018, decorre de uma dívida de R$ 480 milhões. A recuperação judicial foi movida pela retração do mercado de construção civil e pela restrição de crédito por parte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). 

“A determinação é a de que eles [a Triunfo] têm que executar o contrato. O que eles estão discutindo com a Justiça em outros contratos, em outras demandas, eles respondem à Justiça. Nós, aqui, estamos fazendo o cumprimento absoluto da obrigação que eles têm com o Estado e o Estado com eles. Herdamos um contrato que não foi formulado pelo nosso governo, mas estamos executando dentro de todas as regras de compliance e, mesmo com as investigações, continuamos tocando a Secretaria de Infraestrutura. Não podemos parar. Temos outras licitações, de outras empresas, como a da Rodovia dos Minérios (PR-092), que é uma nova obra da Odebrecht”, afirmou.

PUBLICIDADE
 

A Odebrecht, envolvida em esquema de corrupção investigado pela Lava Jato, recuperou o direito de participar de licitações de 2017, depois de assinar acordo de leniência com o Ministério Público Federal (MPF), conforme entendimento do Tribunal de Contas da União. A empreiteira inicia a obra em setembro. A Odebrecht fica encarregada em executar a duplicação de um trecho de 4,74 km da PR-092, entre a ponte sobre o Rio Barigui, em Curitiba, e Almirante Tamandaré. O certame lançado em 2017 tinha sido vencido, em princípio, pela Triunfo (TCE). Uma decisão judicial publicada em julho de 2019 inabilitou a vencedora, que teria descumprido um item do edital. 

Mesmo com a adoção do Programa de Integridade e Compliance, não compete ao Governo do Estado barrar a participação de empresas dos processos licitatórios, de acordo com Sandro Alex. O secretário ressaltou que essa determinação deve partir dos órgãos fiscalizatórios e da Justiça, segundo critérios de idoneidade. “As próprias empresas que estão fazendo acordo de leniência estão restabelecendo o direito de manter negociações com o governo”, observou. 

A pavimentação da PR-364 prevê a restauração do asfalto em um trecho de três quilômetros no perímetro urbano de São Mateus do Sul, que deve receber alargamento da pista, construção de calçadas e criação de uma ciclofaixa. No trecho ainda não pavimentado, será mantido o traçado original, com a construção de pista simples com acostamento. O traçado original será alterado apenas no trecho final, a fim de desviar o tráfego do bairro Riozinho. Na ligação da PR-364 com a BR-153, será construída uma trincheira. Sobre o Rio Turvo, será construída uma nova ponte de 14 metros de extensão. As obras iniciaram em maio e devem ser executadas em 24 meses.

Ouça o áudio completo da entrevista com o secretário Sandro Alex

Comentários