Irati e Região / Notícias

06/07/10 - 12h32 - atualizada em 07/03/12 às 08h43

Tribuna Livre movimentada marcou a penúltima sessão da Câmara antes do recesso

A Juíza da Vara Criminal da Família e Juventude e Juizado Criminal de Irati solicitou empenho dos vereadores para negociação de uma área para construção de um novo Fórum na cidade. 18ª Sessão da Câmara de Vereadores de Irati.
Da Redação, com informações de Rose Harmuch

Foram aprovados em 2ª votação, vários projetos de lei - PL do executivo, solicitando autorização de créditos adicionais: 92, no valor de até R$ 120 mil; 93, R$ 1.500; 94, R$ 29 mil; 96, até R$ 385 mil; 97, até R$ 185 mil; e 98, R$ 520 mil.
O legislativo teve um projeto aprovado em 2ª votação, é o PL 15, do vereador Laudelino Antônio Filipus - Toninho (PSDB), que denomina Antonio Carlos Zarpelon, uma das ruas da cidade.

O Conselho Municipal do Idoso e um Fundo Municipal do Idoso, poderão se tornar realidade em Irati. O PL 16, de autoria dos vereadores José Ronaldo Ferreira - Ronaldão (DEM), Toninho Filipus e do presidente Sidnei Jorge - Sidão (PSDB), que cria o conselho e o fundo, foi aprovado em 1ª votação pelo plenário da Câmara. Sobre este assunto, o vereador Sidão foi convidado a explicar o projeto no programa Meio Dia em Notícias de hoje, logo mais às 13 horas.

Também passaram em 1ª votação os PLs do executivo, solicitando crédito adicional: PL 99, R$ 9 mil e PL 100, R$ 24 mil.

Um requerimento solicitando que o executivo realize estudos para criação de uma cooperativa de silvicultura em Irati foi encaminhado pelo vereador Rafael Felipe Lucas (PSB)

A Tribuna Livre esteve movimentada

Dra Mitzy de Lima Santos - Juíza da Vara Criminal da Família e Juventude e Juizado Criminal de Irati (Foto: Rose H)
Primeiramente, foi ocupada pela Juíza da Vara Criminal da Família e Juventude e Juizado Criminal, Dra Mitz de Lima Santos. Ela relatou a realidade do judiciário local que está com mais de 7.300 processos. Somente na Vara Criminal são 3.576 processos em andamento. Objetivando esclarecer melhor do que tratam estes processos, a juíza citou alguns motivos que os originaram: furto, roubo, tráfico, roubo em saída de banco, golpe do paco, arrombamentos etc. A juíza estava imbuída em mostrar a importância do trabalho desenvolvido pelo Fórum: segundo o que disse, a conclusão destes processos pode repercutir na segurança do município, pois a repressão dos delitos está ligada ao fato de que o pretenso infrator precisa saber que vai ser punido.

Dra Mitz informou que um contato já foi estabelecido com o prefeito, mas sem alguma definição até o momento. Uma área de seis mil metros, já em vista, seria ideal para a construção do novo fórum, disse. Ela falou de estudar um contrato de permuta com o município para trocar o terreno e prédio atual por uma área maior. A juíza solicitou empenho dos vereadores junto ao executivo. "Tem que ter coragem para se expor e disposição de lutar para resolver este problema que se configura como um gargalo estreitando o caminho para finalização dos processos. Comumente, estas questões são tratadas de maneira velada para não causar desconfortos", disse. Os vereadores agradeceram a presença da representante do judiciário louvaram a atitude corajosa como expôs o problema.

A Rádio Najuá tentou entrar em contato com a juíza para saber mais detalhes sobre o terreno e sobre a disponibilidade do judiciário com a construção do novo fórum, mas até o momento, ela não foi encontrada pela reportagem.

Outro assunto - Uso de celulares em agências bancárias

O vereador Dalvino Cavalli (PSB) aproveitou a presença da juíza e solicitou a sua opinião sobre a proibição do uso de celulares em agências bancárias da cidade, assunto que trata o PL 13/2010, de sua autoria, que entrou na Câmara no início de junho e foi retirado de pauta no dia 21, para que uma análise mais profunda fosse realizada. "A juíza disse que ações que venham a contribuir para melhorar a segurança devem ser consideradas. Vocês (se dirigindo aos edis) têm a caneta com tinta cheia e o poder de legislar, os eleitores têm que cobrar ações dos vereadores e o judiciário tem que fazer cumprir, quando deixam de fazer".

Conforme anunciado na reunião anterior, a Secretária de Viação e Serviços Rurais, Rozenilda Romaniw Bárbara, ocupou a Tribuna para relatar as obras realizadas no interior do município. Ela apresentou um relatório detalhado com informações das atividades executadas no período de 1 julho de 2009 a 30 de junho de 2010, período em que ela responde pela secretaria.

Rozenilda abordou as questões específicas, colocadas pelos ouvintes da Rádio Najuá: falou da comunidade de Pedra Preta, que gostaria de ter podido atender as solicitações daquela região, mas que ainda não houve tempo hábil para executar. Ela tem conhecimento das dificuldades e cita a extensão, aproximada, de 500 metros, área que necessita de maiores reparos.

Ronaldão perguntou sobre a intenção do município em adquirir o britador móvel. A secretária respondeu que a administração estuda a possibilidade de compra e/ou o aluguel, mas não apresentou os dados que estão sendo analisados. Ela disse que existe uma expectativa de trabalhar com o britador na comunidade do Pinho, mas nada confirmado ainda.

Marcelo Rodrigues (PP) solicitou à secretária que um mutirão fosse programado na região de Água Clara e Taquari. Marcelo manifestou sua preocupação em agilizar o trabalho de conservação das estradas do interior, ele comunicou à secretária que estabeleceu contato com Ico Boscardim, empresário da área de construção de estradas, que possui um britador móvel; Ico teria lhe dito dque poderia ceder um britador móvel (emprestado) para a prefeitura.

Rozenilda também respondeu as solicitações de reparos na estrada de Itapará. Ela disse que em novembro, a equipe de manutenção trabalhou por cinco semanas na estrada principal de Itapará, inclusive pernoitando no local. "A maioria das solicitações foram atendidas".  Consta do relatório apresentado que foi realizado cascalhamento na Linha B, de Itapará. A secretária falou que esta estrada - de Irati a Itapará - deveria ser estadualizada, para que mais recursos possam ser destinados. Rozenilda disse que não se descuida da estrada, pois é um caminho coletor de várias localidades. Ela já diagnosticou cinco pontos suspeitos que podem estar ocasionando estragos. No momento, a equipe está analisando e investigando os fatores que ocasionam atoleiros em certas partes da estrada. 

O conteúdo do relatório no que diz respeito especificamente a queixa de Itapará, poderá ser visualizado através do site da Rádio Najuá.

Comentários