Paraná / Notícias

18/10/19 - 02h09 - atualizada em 18/10/19 às 19h01

Imóvel com inspiração tailandesa será destaque em programa da RPC

Programa Estúdio C, que vai ao ar no sábado (19), pela RPC, mostra a casa em superadobe construída pelo morador de São Mateus do Sul Wilmar Cordeiro

Da Redação, com informações da Difusora do Xisto. Fotos: Vilziane Cordeiro/Arquivo Pessoal

O programa Estúdio C, que vai ao ar neste sábado (19), às 14h30, pela RPC TV, vai mostrar a curiosa construção da casa de Wilmar Cordeiro, na comunidade de Emboque, interior de São Mateus do Sul. A arquitetura pouco convencional do imóvel, em formato esférico, foi inspirada numa obra da Tailândia, que aplicou a técnica “superadobe”. Nesse formato, sacos de polipropileno são preenchidos com solo argiloso e moldados conforme a estrutura desejada.

As casas de sacos de terra são, ao mesmo tempo, um método de construção barato e rápido. A técnica superadobe foi desenvolvida pelo arquiteto iraniano Nader Khalili e consiste na criação de camadas de longos tubos ou sacos de tecido preenchidos com adobe (argila). As estruturas com formato de colmeia possuem arcos de mísula e abóbadas. Nas últimas duas décadas, a técnica despertou interesse de movimentos que difundem a sustentabilidade.

A produção do programa teve conhecimento dessa residência fora do comum a partir de uma reportagem publicada pela Revista Conte, do extinto Jornal Aconteceu. Na segunda (14), a equipe de TV visitou o local e entrevistou Wilmar Cordeiro, criador e construtor do projeto, que iniciou há cinco anos e está em fase de conclusão.

CLIQUE AQUI E RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS PELO WHATSAPP

PUBLICIDADE

Cordeiro explicou à reportagem da Difusora do Xisto que se inspirou em fotos que viu na Internet, de modelos projetados na Tailândia. Porém, como não encontrou os sacos ideais para preencher com argila e aplicar na construção, tal como é feita no superadobe, apelou para os tijolos de alvenaria. “Através de uma publicação na internet, fui seguindo as dicas e pude aplicar nessa obra”, conta o motorista aposentado, que construiu a casa sozinho.

Além da forma curiosa, que lembra uma colmeia, e do fato de ser sustentável, a casa chama a atenção pelo custo relativamente baixo: o tipo de material empregado e o formato da obra dispensam o uso de ferro, forros e telhados. Em vez do telhado, a residência recebeu uma claraboia de um metro de diâmetro, feita em acrílico. “A claraboia fica parafusada no teto com um espaço para ventilar, e assim é possível ver o luar e as estrelas durante a noite. É uma grande conquista essa casa, já que muitas pessoas passam por aqui, tiram fotos e acham diferente”, explica.


Comentários