Política e Eleição / Notícias

27/06/19 - 16h28 - atualizada em 28/06/19 às 13h59

Hélio de Mello pede vista sobre projeto que ratifica instalação do SAMU

Pedido foi aprovado por unanimidade. Vereadores permanecem com dúvidas, apesar das explicações dadas pela secretária de Saúde

Paulo Henrique Sava

Hélio de Mello (MDB) pediu vista do projeto que trata sobre a ratificação do Protocolo de Intenções para instalação do SAMU na região

O vereador Hélio de Mello (MDB) pediu vista ao Projeto de Lei nº 055/2019, do Executivo iratiense, que ratifica o Protocolo de Intenções para instalação do SAMU na região. O projeto seria votado na sessão desta terça-feira, 25, da Câmara Municipal. O pedido foi aprovado por unanimidade.

Os vereadores permanecem com dúvidas, apesar das explicações dadas pela secretária de Saúde, Magali Salete de Camargo, que se reuniu com eles, antes da sessão. Há preocupação se o município terá capacidade financeira para manter o serviço em funcionamento, sendo Irati escolhida para ser sede do SAMU. Também há dúvida sobre a fonte de onde serão tirados os recursos. “De onde vai sair o dinheiro? Vai sair da compra de medicamentos? Do pagamento de médicos? Da saúde? Das estradas? Do turismo? De que setor vai sair este recurso para bancar o SAMU? No início, serão pagos valores por seis meses, mas não contaremos com o serviço. Depois, contaremos com o serviço, mas só teremos reconhecimento depois de um ano, quando [a partir do reconhecimento], recebermos recursos dos governos Estadual e Federal. Eu pergunto aos senhores: como teremos uma garantia de que este recurso será depositado? E se não for paga a contribuição [se algum dos municípios atrasar ou deixar de pagar], o município será penalizado com este abatimento?”, indagou Mello.

Continua depois da publicidade

PUBLICIDADE

"Voto consciente", é a justificativa de Roni Surek (PROS) para barrar o projeto. “Lembramos que este projeto já foi discutido no ano passado, foram feitas várias conversações, veio até Irati o médico Vinícius Filipak, iratiense que hoje é o coordenador do SAMU-PR. Para que possamos nos aprofundar mais ainda, temos mais uma semana e daí sim poderemos votar de forma consciente”.

Já Rogério Kuhn (PV) discorreu a favor e contra. Disse que se as prefeituras não aderirem, colocarão o projeto em risco. "É um projeto caro, útil e moderno, com acesso a helicóptero, ambulância alfa e ambulância do tipo 2. Se pensarmos financeiramente, talvez o município não tenha capacidade imediata de bancar porque no início não tem ajuda governamental, e este é um grande problema". Ele lembrou que o custo para a manutenção pode começar com um valor maior e depois baixar, à medida que mais municípios passem a integrar o consórcio, mas a quebra deste ciclo pode gerar graves problemas. "Pode começar com R$168 mil e depois cair para R$ 40 ou R$ 50 mil. Caso isto não ocorra, como já aconteceu com Irati, que estava em um consórcio parecido e abandonou no meio do caminho, o problema fica para os demais integrantes que assinaram e se responsabilizaram com o pagamento e o cumprimento do serviço”, pontuou.

Quer receber notícias pelo WhatsApp? Envie SIM notícias http://bit.ly/CliqueAquiWhatsSuperNajua
Por e-mail: http://bit.ly/2BiE4tC

Continua depois da publicidade

PUBLICIDADE

Por outro lado, José Bodnar, o Zequinha (PV), quer que seja prevista a possibilidade de o município sair. “Temos que ter melhores esclarecimentos sobre o custo, se é viável ou não, temos que ter informações para votar com bastante segurança, e deve haver dentro do contrato a possibilidade de o município sair, se não for favorável, sem nenhum tipo de consequência”, pontuou.

Marcelo Rodrigues (PP) comentou que, com o pedido de vista, todos os vereadores terão mais tempo para analisar o projeto e conversar com a equipe da prefeitura para que todas as dúvidas sejam sanadas.

O presidente da Câmara, Valdenei Cabral da Silva (PDT), destacou que alguns dos questionamentos apresentados foram feitos à secretária Magali durante a reunião, porém ela não soube informar os dados solicitados.

PUBLICIDADE

Comentários

Enquete

O Imposto sobre Valor Agregado (IVA) deve ser a base da Reforma Tributária?

  • Não
  • Sim
Resultados