Política e Eleição / Notícias

04/04/12 - 03h42 - atualizada em 04/04/12 às 17h00

PSDB respeita saídas de Sidão e Filipus e não descarta aliança com os dois vereadores

“Vamos tentar convencê-los [vereadores Sidão e Filipus] a vir junto ao projeto do PSDB. Vir conversar com a gente, ver as propostas e tentar se aproximar. Para melhor exercer a prefeitura e o comando do executivo iratiense”, disse o presidente do PSDB de Irati- William Kasprzak-, em entrevista à equipe da Najuá
Rodrigo Zub


Eleições 2012

Este ano teremos eleições para prefeito e vereador. Em Irati, os partidos já se movimentam para dialogarem entre si visando uma futura coligação que garanta, de preferência, uma vaga para 2013. Se mantiver o mesmo número de cadeiras hoje, Irati deve eleger 10 vereadores. A corrida pelo aumento do número de vagas ao legislativo aconteceu depois que a Emenda Constitucional (EC) 58 foi promulgada em 2009. No Centro-Sul, Irati pode aumentar 5; Prudentópolis que tem 10 pode passar a 13 e Imbituva de 9 para 11. Os demais municípios estão abaixo dos 15 mil habitantes e permanecem com nove vagas.

Entendendo que o prazo seria até um ano antes das eleições, a maioria das Câmaras Municipais se adiantoue já decidiu sobre o aumento. Entretanto, a possibilidade de que o prazo se encerra junto com a data final para realização das Convenções Partidárias - 30 de junho do ano eleitoral – foi levantada pela Câmara de Irati, depois que a intenção de apresentar dois projetos para aumentar três e cinco vagas foi descartada. Na época, a população reagiu e foi enfaticamente contra, seguindo a mesma linha do que aconteceu em outros municípios paranaenses que, em alguns casos, travaram verdadeiros embates com a sociedade.

De qualquer maneira, conseguir uma vaguinha no Legislativo não é tarefa fácil e vai ter partido que ficará de fora. Para o Executivo a dificuldade aumenta, pois serão escolhidos somente duas pessoas: prefeito e vice-prefeito. Subprefeito é coisa de cidade grande. Pensando nisso, já se tenta projetar o cenário político e com isso, diante de inúmeros cargos em comissão pela frente, negociações podem surgir como forma de compensação.

Organização dos partidos

A Najuá inicia a cobertura eleitoral falando com todos os partidos. Desde março a equipe de jornalismo da emissora vem elaborando material que é apresentado no programa Meio Dia em Notícias, começando com entrevistas de presidentes dos partidos políticos de Irati. 

Estão organizados em Irati os seguintes partidos: Democratas (DEM); Partido Democrático Trabalhista (PDT); Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB); Partido Progressista (PP); Partido Popular Socialista (PPS); Partido da República (PR); Partido Republicano Progressista (PRP); Partido Socialista Brasileiro (PSB); Partido Social Cristão (PSC); Partido Social Democrático (PSD); Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB); Partido Social Liberal (PSL); Partido dos Trabalhadores (PT); Partido Trabalhista Brasileiro (PTB); Partido Trabalhista Cristão (PTC); Partido Trabalhista Nacional (PTN); Partido Verde (PV).

Você vai conferir a matéria escrita e o vídeo com as entrevistas completas de cada partido, no link especial de Política do site da Najuá.

*Jussara H. Bendhack

Dois mil e doze é ano de eleições. Em outubro serão escolhidos os novos prefeitos, vice e vereadores dos municípios brasileiros. Por isso, a Najuá deu início a uma série de reportagens com os presidentes de partidos e candidatos a prefeito dos municípios da região centro-sul. Nosso primeiro entrevistado foi o presidente do PSDB de Irati- William Kasprzak- que falou sobre as definições e expectativas da legenda visando o pleito que irá ocorrer dentro de seis meses.

Com as saídas de Laudelino Antonio Filipus (Toninho) e Sidnei Jonaldo Jorge (Sidão) que migraram para o PSD, o PSDB ficou sem representação na Câmara. Mesmo assim, Kasprzak diz que não haverá nenhuma atitude punitiva com relação a estas baixas, já que o processo de desfiliação dos dois vereadores aconteceu após uma ampla conversa com os membros do PSDB. “As saídas foram comunicadas, conversadas e se deram dentro de um ambiente tranquilo. Quando eles estiveram no partido fizeram o que nós propomos. De forma técnica não vamos questionar a decisão deles. Além disso, só ocorreram mudanças em função da formação de um novo partido. Isso abriu uma lacuna não só no PSDB, mas em diversos partidos”, relatou.

William Kasprzak (à esquerda) foi o primeiro entrevistado da Série "Najuá Eleições 2012-
Para Kasprzak, “a política é o respeito às ideias”. Desta forma, ele deixou no ar a possibilidade de uma futura união ou coligação entre o PSDB e PSD dos vereadores Toninho e Sidão. “Vamos tentar convencê-los [vereadores Sidão e Filipus] a vir junto ao projeto do PSDB. Vir conversar com a gente, ver as propostas e tentar se aproximar. Para melhor exercer a prefeitura e o comando do executivo iratiense”, confirma. 

Derbli é a bola da vez

O presidente do PSDB disse que o empresário Jorge Derbli, é o nome de consenso do PSDB para concorrer ao cargo de prefeito nas eleições municipais. Ele disse que Derbli já estava na lembrança de alguns “caciques” do partido desde 2010 quando o governador Beto Richa foi eleito. Kasprzak explica que o convite para que o empresário migrasse do PMDB (seu ex-partido) para o PSDB partiu do próprio Richa e do atual presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Valdir Rossoni, que hoje comanda a legenda a nível estadual.

“Tivemos essa conversa, ele [Derbli] aceitou se filiar ao partido e a ser nosso pré-candidato”, destacou Kasprzak.  Ele comentou durante a entrevista que o PSDB sofreu uma reestruturação estadual após as eleições de 2010, quando os diretórios foram destituídos e  refeitos justamente para preparar o partido visando as eleições municipais. “ Quando assumi o partido tomamos duas atitudes. A primeira foi criar um escritório do PSDB e a outra foi trazer várias pessoas para nossa frente, inclusive o Jorge Derbli que é o nosso pré-candidato”, afirmou.

Vice indefinido

Perguntado sobre quais critérios serão avaliados para definição do nome do vice de Jorge Derbli, Kasprzak relatou que ainda não há definição se esta pessoa será do próprio partido ou alguém da base aliada. “Critério existe, vice não existe. O critério é a negociação e a conversa”, avaliou.

O presidente do PSDB disse que o partido não irá determinar o nome do vice em função de pesquisas eleitorais. Kasprzak justifica sua resposta ao afirmar que nem sempre dados refletem o que é o melhor para a legenda, pois uma pessoa bem conceituada pelos eleitores pode não ser um bom político. “O vice vai ocupar um cargo importante dentro da prefeitura também. Não vai ser um boneco. Como no governo do estado, está exercendo uma função importantíssima, pois o secretário de segurança [Reinaldo de Almeida César] é o vice do Rossoni na executiva estadual do partido”, comenta.

"Namoro" com quatro partidos

Pelo Tribunal Regional Eleitoral (TER), o prazo final para bater o martelo com relações às coligações partidárias encerra em junho. Questionado sobre as tratativas com os outros partidos, Kasprzak afirmou que o PSDB está com conversas bem adiantadas com quatro partidos: PDT, PV, PPS e o PMBD, justamente pela vinda de Derbli. “Hoje estamos com essas conversas de bastidores que seriam o primeiro namoro. A definição deve ficar para o final de abril ou começou de maio quando teremos essa primeira base montada”, entende.

Oposição

O presidente do PSDB disse ainda que a atitude do deputado Valdir Rossoni, fazendo oposição aberta ao ex- governador Roberto Requião na ALEP, não irá se repetir caso Derbli não vença as eleições majoritárias.

“De maneira nenhuma. Em todas as declarações e atitudes de nosso presidente atual, Valdir Rossoni ele diz sempre que o PSDB está atendendo todos os municípios, porque nós atendemos o Paraná, não o prefeito ou o cidadão”, destaca Kasprzak. Ele lembra que a proposta do partido é praticar a democracia e agir de forma igualitária em todas as esferas seja ela municipal, estadual ou federal. “O PSDB foi reestruturado estadualmente e nacionalmente, porque o PSDB já foi governo federal e ele tem projeto de voltar à presidência da república. O projeto do partido em Irati é muito claro. Aliar-se ao plano de governo estadual para trazer verbas, recursos e tudo que for necessário”, concluiu.

Confira outros detalhes da entrevista com William Kasprzak- no vídeo abaixo:



Comentários